Acompanhe:
seloNegócios

Com pandemia, pequeno varejo de moda passa por reinvenção — e empreendedores priorizam o online

Empreendedor que atua no setor precisa abusar das pesquisas e análise de cenários; veja dicas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ronnan Moro, proprietário da loja de vestuário Newquay: empreendedorismo na moda (Ricardo Matsukawa/Sebrae/SP)

Ronnan Moro, proprietário da loja de vestuário Newquay: empreendedorismo na moda (Ricardo Matsukawa/Sebrae/SP)

P
Por Patricia Gonzales, Jornal de Negócios do Sebrae-SP

Publicado em 27 de novembro de 2022 às, 10h00.

Assim como tem acontecido com outros setores da economia, a cadeia de moda vem passando por transformações desde o início da pandemia de covid-19 e procura se adaptar para atender às novas expectativas dos clientes. Além de investir em uma atuação omnichannel (ou multicanal, estratégia de vendas que integra diferentes canais de comunicação e divulgação) e acompanhar as mudanças no comportamento de compra do consumidor, os pequenos negócios do setor estão percebendo que a prática de medidas sustentáveis está sendo cada vez mais valorizada.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

De acordo com a consultora do Sebrae-SP Monica Lemes Padovani, o empreendedor que atua no setor precisa pesquisar muito e analisar diferentes cenários o tempo todo. “A atuação multicanal já é uma realidade que chegou há alguns anos. No maior evento de varejo do mundo, promovido pela NRF (National Retail Federation) nos Estados Unidos, essa fala já era recorrente desde 2018. A cadeia de moda também está gritando pela sustentabilidade, pela diversidade e inclusão”, afirma.

O levantamento “Winning Omnichannel 2022: a reformulação do varejo na América Latina”, realizado pela consultoria Kantar, revela que as compras ainda não voltaram aos níveis pré-pandemia – e ainda sofrem uma queda maior em países onde a tendência omnichannel ainda não prosperou. Além disso, pressões econômicas, como alta da inflação e queda do poder de compra, têm resultado em menos consumo e maior busca por opções de produtos com um bom custo/ benefício, sempre utilizando para isso vários canais de pesquisa e compra.

Tudo Online

Dentro de um cenário tão desafiador, proprietários de pequenos negócios vêm trabalhando para conseguir adaptar seus negócios a um cenário inédito de constante mudança e velocidade. É o caso de Ronnan Moro, dono da NewQuay, loja de vestuário que trabalha tanto com moda masculina quanto feminina desde 2011 na cidade de Mogi das Cruzes.

Para o empresário, tudo aquilo que se falava sobre o novo mundo do varejo pós-pandemia está realmente acontecendo. “Antes, as pessoas vinham até a loja, queriam experimentar as roupas, mas hoje é tudo online. Eles primeiro perguntam por mensagens sobre o que querem e depois decidem se vêm ou não até aqui. Nós continuamos com o delivery tanto para quem já é cliente como para os clientes novos. Tenho clientes antigos que já não vêm mais na loja”, conta.

Atualmente, o empreendedor não tem um e-commerce e mantém suas vendas pelo WhatsApp e redes sociais. Por esses canais, seus clientes ficam sabendo sobre as novidades no estoque e pedem para ver mais opções. “Tivemos um crescimento muito grande na captação de clientes. E sempre estamos em contato para as pessoas lembrarem da gente e virem até aqui. Crescemos do ano passado para cá uma média de 10%. Comparando com antes da pandemia, tivemos um aumento de 30% a 40% no faturamento”, comemora.

LEIA TAMBÉM: Dona do Posto Ipiranga quer fomentar emprendedorismo feminino no Nordeste e Norte

O crescimento pode ser explicado pelo investimento que tem feito na divulgação online, que o ajuda a captar clientes que não conheceriam a sua loja se ele estivesse apenas atuando no modelo presencial. “Hoje, 15% das vendas são pessoas que compram e não vêm na loja. E esse percentual está crescendo, estou investindo. Sou uma loja de bairro, mas atendo clientes que moram a 20 quilômetros daqui”, diz.

Ter seu próprio e-commerce está nos planos para o futuro, mas Ronnan reconhece que ainda não se sente pronto para dar esse passo. O empreendedor explica que tem receio de que as vendas em uma plataforma online possam interferir no seu relacionamento com o cliente. “Tenho medo de não ter diálogo. Você vende uma coisa e a pessoa não gosta, eles não vêm conversar. Às vezes é um contratempo isolado, mas você não tem chance de explicar, conversar. Então eu só quero entrar no online quando eu tiver construído uma experiência de compra diferenciada”, afirma.

O empreendedor também reconhece a importância da sustentabilidade para o seu negócio. Além de adotar medidas em seu estabelecimento para evitar o desperdício de recursos naturais, ele também trabalha com fornecedores que valorizam o uso de peças sustentáveis. “Aqui recebo mercadorias produzidas com materiais recicláveis. Tenho peças feitas por meio de reciclagem com garrafas pet, por exemplo”, diz.

Para aproveitar as oportunidades e estar cada vez mais atento às tendências do setor, Ronnan observa o comportamento da concorrência e investe seu tempo em capacitações. “Participei do programa específico para a cadeia da moda que aconteceu no Sebrae em Mogi das Cruzes. Percebi que muitos controles e muita parte da gestão que eu achei que fazia certo na verdade não estavam 100%. Agora conseguimos também aproveitar melhor as datas comemorativas e já estamos com o estoque preparado para a Copa do Mundo há algum tempo”, afirma.

Com apoio de influenciadoras no marketing, loja online de óculos de grau fatura R$ 7 milhões

Mais exigentes

A empreendedora Debora Braito é dona da marca de roupas Senhorita Plus Size, voltada para moda feminina de tamanhos grandes. A empreendedora também participou do programa voltado para empreendedores da cadeia da moda em Mogi e tem como público mulheres principalmente na faixa de 25 a 45 anos. Debora também passou a perceber um comportamento de compra diferente entre suas clientes. “Antes de todas essas mudanças de cenário, as minhas clientes compravam mais. Hoje as clientes estão mais retraídas. Muita gente perdeu o emprego. As vendas estão mais controladas. A inflação também está alta e até a comida está muito cara”, avalia.

Embora realize menos vendas, Debora não vê impacto negativo em seu faturamento, apesar de observar que nesta época de fim de ano o mercado já deveria estar mais aquecido. “As vendas estão menores. Acho que a situação financeira no geral está impactando. Os clientes estão comprando menos e estão mais criteriosos. Então, em vez de comprar cinco blusinhas, por exemplo, elas compram três”, diz.

Para compensar esse cenário, a empreendedora investe na qualidade do atendimento e garante que suas clientes são fiéis. Tanto que ela deseja montar um e-commerce para ajudá-la a dar conta da quantidade de pedidos. “Quero atender às clientes que me chamam no WhatsApp de madrugada e não consigo falar. Mas a minha maior venda é no presencial ainda. Todos os grupos de WhatsApp que montei na pandemia continuam funcionando e são muito importantes”, conta.

Com a capacitação que realizou no Sebrae-SP, Debora revela que aprendeu a usar o recurso de “live shopping” (vendas realizadas durante uma apresentação de produtos ao vivo) para não ficar com estoque parado. “Eu compro menos peças para deixar em estoque e tenho sempre novidades. Apesar da maior parte das vendas acontecerem de forma presencial, no online é onde eu mostro as novidades e chamo as minhas clientes”, afirma.

Para ficar atento

Para a consultora do Sebrae-SP Monica Lemes Padovani, responsável pelo programa Cadeia da Moda na região do Alto Tietê, são essas as principais questões a que os empreendedores do segmento devem estar atentos:

  • Conheça e implemente ações e ferramentas de transformação digital no seu negócio, investindo em vendas online e ações como “live shopping”. Estar de olho nas tendências e se capacitar para isso é fundamental para ter sucesso;
  • Conecte seus negócios aos compromissos da ESG – conjunto de padrões e boas práticas que visa definir se uma empresa é socialmente consciente, sustentável e corretamente gerenciada. Sustentabilidade não é tendência, já é uma realidade;
  • Consumidores tendem a preferir marcas sustentáveis e serem leais a quem está atento a práticas de reciclagem, por exemplo. Para os pequenos negócios, é possível acompanhar essas tendências e divulgá-las para seus clientes.

Últimas Notícias

Ver mais
Além do macarrão: Spoleto aposta em franquia de pizza e cliente vai "criar seu prato"
seloNegócios

Além do macarrão: Spoleto aposta em franquia de pizza e cliente vai "criar seu prato"

Há 12 horas

Ricardo Bellino leva líderes empresariais ao mosteiro Zen para aprender nova abordagem de liderança
seloNegócios

Ricardo Bellino leva líderes empresariais ao mosteiro Zen para aprender nova abordagem de liderança

Há 15 horas

Faturamento das pequenas e médias empresas cresce 13,9% em janeiro
seloNegócios

Faturamento das pequenas e médias empresas cresce 13,9% em janeiro

Há 16 horas

Como abrir um negócio usando a inteligência artificial e ter mais chance de ser bem sucedido
seloNegócios

Como abrir um negócio usando a inteligência artificial e ter mais chance de ser bem sucedido

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais