Negócios

Com CDN, grupo de Nizan fatura R$ 1 bilhão

A CDN será o terceiro maior negócio da companhia


	Guga Valente (Grupo ABC) aplaude aperto de mão entre Nizan Guanaes (Grupo ABC) e João Rodarte (CDN): a “nova” CDN terá 51% do capital nas mãos do ABC
 (Divulgação)

Guga Valente (Grupo ABC) aplaude aperto de mão entre Nizan Guanaes (Grupo ABC) e João Rodarte (CDN): a “nova” CDN terá 51% do capital nas mãos do ABC (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de setembro de 2013 às 09h46.

São Paulo - A entrada do grupo ABC, de Nizan Guanaes, no segmento de relações públicas deverá elevar a receita conjunta da holding para algo próximo de R$ 1 bilhão em 2013. Esse patamar deverá ser atingido com a expectativa de crescimento orgânico de 12% sobre o faturamento de R$ 840 milhões do ano passado, e a compra da CDN, que tem receita anual de aproximadamente R$ 80 milhões.

De acordo com Guga Valente, presidente do grupo ABC, a CDN será o terceiro maior negócio da companhia, que hoje contabiliza 15 empresas quando são consideradas as sedes regionais da DM9. “O faturamento será parecido com o da Loducca (terceira maior agência de publicidade do grupo, depois da Africa e da DM9DDB)”, afirma Valente. O Grupo ABC não revelou o valor exato da compra da agência de relações públicas.

Fundada há 26 anos, a CDN é a segunda maior agência de relações públicas do País, atrás somente da FSB. Segundo o Anuário Brasileiro da Comunicação Corporativa, a empresa faturou R$ 88 milhões no ano passado (ainda com o negócio de publicidade incluído). João Rodarte, presidente da CDN, diz que a companhia hoje tem 129 clientes. Oitenta por cento da receita vem do setor privado e os 20% restantes de clientes governamentais. Atualmente, a CDN tem 400 funcionários, que engrossarão o time de 2,7 mil pessoas do grupo ABC.

As negociações entre as partes levaram cerca de um ano. Para Nizan Guanaes, sócio e idealizador do grupo ABC, o setor de relações públicas tem hoje um horizonte maior de crescimento do que o de publicidade no País. Ao contrário do que ocorre com a publicidade, Nizan lembrou que, pelo menos por enquanto, o mercado de RP é dominado por agências locais.

A “nova” CDN terá 51% do capital nas mãos do ABC, com o restante pulverizado entre cinco sócios. Segundo Rodarte, a administração atual seguirá no comando da empresa de relações públicas por pelo menos cinco anos. A tendência é que, ao longo do tempo, as ações que os sócios ainda têm da CDN sejam transformadas em papéis da holding ABC. Para evitar conflitos de interesse, a agência de RP se desfez de seu negócio de publicidade, que representava 10% de seu faturamento, e agora existirá sob novo nome.

A compra da CDN é o primeiro grande negócio fechado pelo grupo ABC desde que recebeu, em abril deste ano, um aporte de R$ 170 milhões do Kinea. O fundo do Banco Itaú tem hoje 20% do grupo. Valente diz que, após realizar compras com capital próprio e estratégico, o ABC entrou em sua segunda fase de expansão com o Kinea. O objetivo final é abrir o capital. Ele não arrisca, no entanto, um prazo para que isso ocorra.

Para ganhar importância dentro do mercado de relações públicas, a intenção do ABC é seguir adquirindo empresas de RP. Em vez de serem incorporadas à holding, no entanto, as empresas passarão a fazer parte da CDN. Ao contrário do que ocorre na publicidade, a opção do grupo é montar uma referência única no segmento de relações públicas. O ABC está de olho em agências especializadas no setor digital, que poderiam reforçar o perfil mais tradicional da CDN.

Retrato de mercado

Para Guga Valente, o crescimento previsto para o grupo ABC este ano, de 12%, é saudável em comparação ao restante do mercado. Segundo Dados do Projeto Inter-Meios, coordenado pelo Meio & Mensagem, o mercado publicitário cresceu 2,4% no primeiro semestre de 2013, em relação ao mesmo período do ano passado. A receita somou R$ 14,6 bilhões de janeiro a junho. “Com a nossa expansão em 2013, vamos ganhar share (participação relativa) no mercado brasileiro.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Acompanhe tudo sobre:CelebridadesEmpresáriosEmpresasFusões e AquisiçõesGrupo ABCNizan Guanaes

Mais de Negócios

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Baré, Fruki, Coroa, Jesus: conheça os refrigerantes de guaraná que bombam pelos estados do Brasil

De gravadora a companhia aérea: conheça Richard Branson, o bilionário que inspira os donos da Cimed

Mais na Exame