Negócios

Após aporte de US$ 2,1 bi, Uber já vale mais que Ford ou GM

Entre os investidores que apostaram na companhia estariam os fundos Tiger Global Capital Management e T. Rowe Price, segundo o The Wall Street Journal

Pessoa com camiseta do Uber usa celular (Shannon Stapleton/Reuters)

Pessoa com camiseta do Uber usa celular (Shannon Stapleton/Reuters)

Luísa Melo

Luísa Melo

Publicado em 1 de junho de 2016 às 16h58.

São Paulo - Em uma nova rodada de investimentos, o Uber teria arrecadado nada menos do que 2,1 bilhões de dólares.

Entre os investidores que desembolsaram o dinheiro estariam os fundos Tiger Global Capital Management e T. Rowe Price, segundo o The Wall Street Journal.

Com esse aporte, o aplicativo de transporte, que é uma empresa fechada, chegaria a valer entre 62,5 e 64,6 bilhões de dólares  quantia que ultrapassa o valor de mercado de 80% das companhias de capital aberto que compõem o índice S&P 500, de acordo com a Bloomberg.

Assim, o Uber valeria mais do que a química Dow (avaliada em 60 bilhões de dólares), a GM (55,7 bilhões de dólares), a Ford (55,4 bilhões de dólares) ou a Time Warner (55,2 bilhões de dólares).

Em comparação com outras empresas que ainda não foram lançadas em bolsa, o app superaria a chinesa Xiaomi (avaliada em 46 bilhões de dólares), o Airbnb (2,5 bilhões de dólares) e a SpaceX (12 bilhões de dólares), por exemplo.

Outros investimentos

Em agosto, o Uber teria conseguido um outro aporte de US$ 1 bilhão de investidores da China, onde a empresa tem um plano de expansão agressivo.

Em maio, após outra rodada de investimentos, ele foi avaliado em 50 bilhões de dólares, feito histórico para startups que ainda não abriram o capital, alcançado antes apenas pelo Facebook.

Acompanhe tudo sobre:AppsInvestimentos de empresasUber

Mais de Negócios

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Polishop

Fernando Goldsztein: Toda a ajuda é pouca para os atingidos pelas enchentes do RS

Rodízio caro: rede de restaurantes Red Lobster pede recuperação judicial com dívida de US$ 1 bilhão

A startup que pretende usar um fundo de R$ 150 milhões para salvar negócios no Rio Grande do Sul

Mais na Exame