Cemig anuncia Reynaldo Passanezi como novo diretor-presidente

O economista, que já foi presidente da Cteep, do grupo colombiano Isa, assumirá o cargo a partir desta segunda-feira no lugar de Cledorvino Belini

São Paulo - A estatal mineira de energia Cemig informou que o economista Reynaldo Passanezi Filho foi nomeado como novo diretor-presidente da companhia, segundo fato relevante nesta segunda-feira.

Passanezi, que foi anteriormente presidente da transmissora de energia Cteep, do grupo colombiano Isa, assumirá o cargo a partir desta segunda-feira no lugar de Cledorvino Belini, que havia sido indicado para o comando da companhia em fevereiro de 2019.

A mudança no comando acontece em meio a planos da gestão do governador mineiro Romeu Zema (Partido Novo) de privatizar a companhia, que é uma das maiores empresas de energia do Brasil e tem negócios em geração, transmissão e distribuição de eletricidade.

A Cemig não informou de imediato motivos para a substituição de Belini, que comandava um processo de reestruturação da companhia que envolveu corte no número de níveis gerenciais, redução de secretárias e motoristas e até a venda de um avião da empresa, em busca de menores custos.

Antes de atuar na elétrica mineira, Belini fez carreira na montadora Fiat, tendo sido presidente da montadora no Brasil e na América Latina.

Segundo a Cemig, o conselho de administração da empresa aprovou a nomeação de Passanezi nesta segunda-feira.

Empresa símbolo

Considerada uma empresa emblemática em Minas Gerais, a Cemig foi criada em 1952 pelo então governador Juscelino Kubitschek, que depois seria presidente da República.

O governador Zema, eleito em 2018, prometeu em sua campanha privatizar a empresa, o que exige aprovação da venda do controle em plebiscito popular ou mudança da Constituição estadual para retirar essa exigência.

A Cemig reportou prejuízo líquido de 281,8 milhões de reais no terceiro trimestre, contra lucro de 244,5 milhões de reais no mesmo período de 2018, impactada por um contingenciamento bilionário para o cumprimento de contribuições tributárias.

Enquanto o governo mineiro tenta avançar com os planos de privatização, a companhia vinha buscando vendas de ativos para reduzir seu elevado endividamento.

A dívida líquida da companhia terminou o terceiro trimestre em 13,6 bilhões de reais.

Em meio aos planos de desinvestimentos, a Cemig fechou em julho ano passado a venda de parte de sua fatia na elétrica Light, deixando de ser controladora da empresa que atua na distribuição de energia na região metropolitana do Rio de Janeiro e tem ativos de geração.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.