Negócios

Cade faz acordo de R$ 61 milhões com empreiteiras envolvidas na Lava-Jato

Pelo acordo, as empreiteiras reconhecem participação no conluio, que envolvia até combinação de propostas apresentadas em licitações

Há suspeitas de que esquema ilícito funcionou de 2012 a 2014 (Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress/Exame)

Há suspeitas de que esquema ilícito funcionou de 2012 a 2014 (Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress/Exame)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 9 de dezembro de 2020 às 20h28.

Última atualização em 9 de dezembro de 2020 às 21h39.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) firmou nesta quarta-feira, 9, três acordos com construtoras para encerrar investigações que foram iniciadas no âmbito da Operação Lava-Jato. O processo averiguava a participação da OAS, Odebrecht e Carioca Engenharia em um esquema que fraudou licitações do governo do estado do Rio de Janeiro.

Dinheiro na cueca pode mover seus investimentos? Pode. Saiba como, na EXAME Research

A OAS pagará o maior valor, 46 milhões de reais, incluindo a contribuição de pessoas físicas ligadas à empresa. A Odebrecht terá de pagar 9,6 milhões de reais e, a Carioca, 5,4 milhões de reais.

Pelo acordo, as empreiteiras reconhecem participação no conluio, que incluiu troca de informações sensíveis, divisão de mercados e combinação das propostas apresentadas nas licitações. Além disso, as empresas apresentaram mais informações, que contribuirão na investigação do Cade contra as demais participantes do esquema.

https://exame.com/brasil/policia-federal-investiga-propina-na-construcao-do-metro-do-rio-de-janeiro/

Os acordos foram firmados no processo que investigava a formação de um cartel para fraudar licitações da Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro para obras de recuperação e revitalização ambiental das lagoas de Jacarepaguá, Camorim, Tijuca e Marapendi, no município do Rio de Janeiro, e em obras de contenção e controle de enchentes de rios no norte e noroeste fluminense.

A suspeita é que o esquema tenha funcionado de 2012 a 2014. O caso é investigado pelo Cade desde 2013. Em 2017, o órgão firmou um acordo de leniência com a Andrade Gutierrez, que apresentou provas como documentos e informações que mostraram o funcionamento do esquema em troca de uma punição menor.

Na sessão desta quarta-feira, o Cade firmou acordo também com a empresa JMalucelli para encerrar investigação contra a empresa, que pagará 3 milhões de reais.

https://exame.com/tecnologia/rappi-processa-ifood-no-cade-por-praticas-anticompetitivas/

Acompanhe tudo sobre:CadeNovonor (ex-Odebrecht)OASRio de Janeiro

Mais de Negócios

A nova aposta da WeWork: andares exclusivos para empresas

Previsão é que produção de calçados esteja normalizada no RS até fim de junho

Novo CEO do iFood: o crescimento não virá de novos negócios, mas do aumento da frequência

Para além do marombeiro: rede de academias do Nordeste faz R$ 300 milhões "brigando contra o sofá"

Mais na Exame