Negócios

Cade aprova sem restrições aquisição de hotéis da BHG pela Accor

Em de 2 de março, a AccorHotels fechou acordo de 200 milhões de reais para assumir a gestão de 26 hotéis da BHG

Accor: superintendência-geral do Cade avalia que a operação não gera preocupações concorrenciais (Antoine Antoniol/Bloomberg)

Accor: superintendência-geral do Cade avalia que a operação não gera preocupações concorrenciais (Antoine Antoniol/Bloomberg)

R

Reuters

Publicado em 7 de julho de 2017 às 12h50.

São Paulo - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição pelo grupo francês AccorHotels de um conjunto de contratos de administração de 26 hotéis da BHG, terceira maior rede hoteleira do país, segundo despacho publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira.

Em de 2 de março, a AccorHotels fechou acordo de 200 milhões de reais para assumir a gestão de 26 hotéis da BHG, que é controlada pela GP Investments e detém marcas próprias (Soft Inn, Solare e The Capital) e licenciadas (Royal Tulip, Golden Tulip e Tulip Inn).

A superintendência-geral da autarquia avalia que a operação não gera preocupações concorrenciais, dado que o mercado de serviços de administração hoteleira é "notadamente pulverizado", conforme parecer no site do Cade.

"A presente operação envolve apenas a transferência da gestão de alguns hotéis da rede BHG para a rede Accor, permanecendo ambas as empresas completamente independentes neste mercado após a operação", informa a superintendência-geral do Cade.

Em entrevista concedida em meados de abril, o presidente da AccorHotels na América do Sul, Patrick Mendes, disse à Reuters que a maior rede hoteleira da Europa buscava se diversificar e apostava em consolidação no Brasil para reagir ao avanço de grupos de reservas online e à recessão no país.

Acompanhe tudo sobre:Accoracordos-empresariaisBHGEmpresasHotelaria

Mais de Negócios

OPINIÃO: Na lama da tragédia, qual política devemos construir?

Conheça a Rota das Artes, o novo roteiro turístico de Minas Gerais

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Conheça a CEO que nunca descansa, nem cobra salário – isso porque ela é uma inteligência artificial

Mais na Exame