Negócios

BTG Pactual questiona aumento de preços da Usiminas

Planos da Usiminas para aumentar alguns de seus preços entre podem ser atingidos por rivais locais e pelo apoio que a valorização do real terá sobre as importações de aço


	Os aumentos de preços, que serão aplicados na distribuição, também podem ir contra os esforços do governo de controlar a inflação
 (Domingos Peixoto/EXAME)

Os aumentos de preços, que serão aplicados na distribuição, também podem ir contra os esforços do governo de controlar a inflação (Domingos Peixoto/EXAME)

DR

Da Redação

Publicado em 27 de fevereiro de 2013 às 09h53.

São Paulo - Os planos da Usiminas para aumentar alguns de seus preços entre 6 e 12 por cento podem ser atingidos por rivais locais e pelo apoio que a valorização do real terá sobre as importações de aço, afirmaram analistas do BTG Pactual em relatório.

Os aumentos de preços, que serão aplicados na distribuição --que representa 30 por cento das vendas da companhia no Brasil-- também podem ir contra os esforços do governo de controlar a inflação, disseram analistas do BTG Pactual liderados por Edmo Chagas.

"Estamos conduzindo checagens para ver se outras usinas estão seguindo a iniciativa de preços. Se não seguirem, acreditamos que haverá menos chance de que a Usiminas tenha sucesso (no reajuste)", disse Chagas no relatório.

Os aumentos de preços podem adicionar cerca de 127 milhões de reais ao lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da companhia este ano, se forem totalmente implementados, estimaram os analistas.

Acompanhe tudo sobre:acobancos-de-investimentoBTG PactualCommoditiesEmpresasEmpresas abertasEmpresas japonesasHoldingsSiderurgiaSiderurgia e metalurgiaSiderúrgicasUsiminas

Mais de Negócios

Fórmula secreta? Como a Disney reinventou sua gestão financeira para continuar no topo

Depois de faturar R$ 300 milhões no Brasil, a Asper quer combater crimes digitais nos Estados Unidos

Em masterclass gratuita, Marcelo Cherto ensina o passo a passo para abrir uma franquia de sucesso

Vai um hambúrguer aí? Mania de Churrasco fatura R$ 114 milhões com lanches

Mais na Exame