Negócios

Brookfield negocia investir R$3,3 bi no Brasil, dizem fontes

A Brookfield Asset Management está estudando investir mais de R$ 3,3 bilhões no Brasil, sendo dois terços desse total em ativos inadimplentes

Detalhe em prédio da Brookfield Asset Management Inc, a maior gestora de ativos alternativos do Canadá (Matthew Staver/Bloomberg)

Detalhe em prédio da Brookfield Asset Management Inc, a maior gestora de ativos alternativos do Canadá (Matthew Staver/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de abril de 2015 às 22h24.

A Brookfield Asset Management Inc., maior gestora de ativos alternativos do Canadá, está estudando investir mais de R$ 3,3 bilhões (US$ 1,1 bilhão) no Brasil, sendo dois terços desse total em ativos inadimplentes, segundo duas fontes com conhecimento direto do assunto.

Imóveis comerciais, açúcar, etanol e construção são alguns dos setores em que a Brookfield, que tem sede em Toronto, tem interesse, porque foram mais duramente atingidos por quedas nos preços e restrições de crédito, disseram as fontes, que pediram anonimato porque os planos são privados.

A Brookfield já adquiriu um portfólio de ativos de energia renovável da Energisa SA por R$ 1,4 bilhão, excluindo dívida, em novembro, e um imóvel em São Paulo, por US$ 312 milhões, em setembro.

“Temos sido historicamente muito bem-sucedidos na aquisição de empresas de grande escala nos períodos em que o capital é limitado”, disse Sam Pollack, CEO da unidade de investimento em infraestrutura da Brookfield, em carta a investidores, em fevereiro. Kristhian Kaminski, porta-voz da firma, preferiu não comentar investimentos específicos.

Os preços dos ativos no Brasil caíram após previsões de que economia brasileira sofreria a pior contração em 25 anos neste ano e com os esforços do governo para recuperar as contas fiscais e controlar a inflação para evitar um rebaixamento do rating de crédito soberano.

O escândalo de corrupção da Petrobras também tem colocado seus fornecedores em aperto de crédito.

Financiamento da OAS

Os novos investimentos da Brookfield poderão incluir R$ 800 milhões em financiamento à OAS SA, a construtora que entrou com pedido de recuperação judicial em São Paulo no mês passado, segundo as fontes. A OAS foi proibida de apresentar licitações em novos projetos com a Petrobras após uma investigação envolver seus executivos pelo recebimento de subornos em troca de contratos de trabalho.

A Brookfield, que foi fundada no Brasil em 1899 como Brascan Ltd., ofereceria financiamento possibilitando que a OAS pagasse seus credores em troca de uma participação na Invepar, uma operadora de aeroportos e rodovias, segundo as fontes. A OAS possui 24,4 por cento da Invepar.

O diretor de desenvolvimento corporativo da OAS, Diego Barreto, disse no dia 22 de abril em São Paulo que a empresa estava negociando um financiamento debtor-in-possession de R$ 800 milhões, sem citar o nome do possível credor. Ele preferiu não comentar as negociações com a Brookfield.

BTG Pactual

Uma unidade da Brookfield se juntou ao Grupo BTG Pactual em fevereiro para fechar o capital da BR Properties SA, cujas ações caíram 60 por cento em relação ao seu pico, em outubro de 2012. Se todos os atuais acionistas decidirem vender, a Brookfield investiria R$ 405 milhões para comprar as ações e ao mesmo tempo manteria o controle sobre algumas propriedades da firma, segundo um fato relevante de 26 de fevereiro.

O acordo não afetaria o rating junk do BB mantido pela BR Properties, segundo a Standard Poor’s.

Mais R$ 560 milhões em novos investimentos podem ser adicionados ao total se a Brookfield comprar a participação do BTG em uma propriedade comercial conhecida como WTorre Morumbi. Essa transação depende de a BR Properties ter seu capital fechado, segundo o fato relevante.

Os preços dos imóveis caíram 3,1 por cento nos três primeiros meses deste ano descontada a inflação, segundo o índice de preços de imóveis FipeZap.

Negociações com Renuka

A gestora de ativos canadense também está em negociações avançadas para adquirir a processadora sucroalcooleira Renuka do Brasil SA por cerca de R$ 1,5 bilhão em dívidas, disseram duas fontes com conhecimento direto do assunto em 17 de abril.

A Brookfield assumirá a dívida e negociará os termos de pagamento com os credores da Renuka, disseram as pessoas.

A Brookfield está negociando também a injeção de capital nas produtoras sucroalcooleiras Tonon Bioenergia SA e Virgolino de Oliveira SA, que estão buscando reestruturar suas dívidas em dólares, disseram três fontes com conhecimento do assunto em 17 de abril.

Assessores das empresas BR Properties, Renuka, Tonon e Virgolino de Oliveira preferiram não comentar.

Acompanhe tudo sobre:BrookfieldCanadáConstrução civilEmpresasInvestimentos de empresasPaíses ricos

Mais de Negócios

O Brasil pode exportar peças para veículos? Essa é a aposta da Bosch após vender R$ 9,8 bilhões aqui

Startup do Amapá capta R$ 3 milhões e já tem R$ 30 milhões para emprestar na Amazônia

Você já ouviu falar na sigla DYOR? Veja por que ela é importante no universo das finanças

Com investimento de R$ 70 milhões, plataforma de renegociação de dívidas entra em operação

Mais na Exame