Acompanhe:
seloNegócios

Brookfield desiste de fazer oferta maior por Renova Energia

A Brookfield agora caminha para apresentar uma oferta avaliando os 67% de participação de controle das companhias na Renova em 9 reais por Unit

Modo escuro

Continua após a publicidade
Renova: a Brookfield pode pagar à Cemig e Light 7 reais por Unit logo no fechamento do negócio (Marcelo Casal Jr/Agência Brasil)

Renova: a Brookfield pode pagar à Cemig e Light 7 reais por Unit logo no fechamento do negócio (Marcelo Casal Jr/Agência Brasil)

G
Guillermo Parra-Bernal, da Reuters

Publicado em 5 de outubro de 2017 às, 18h24.

Última atualização em 5 de outubro de 2017 às, 20h32.

São Paulo - A Brookfield Asset Management desistiu de melhorar uma oferta inicial pela Renova Energia, empresa de energia renovável controlada por Cemig e Light, após uma due diligence mostrar problemas não contabilizados, afirmou uma pessoa com conhecimento direto da situação nesta quinta-feira.

A Brookfield agora caminha para apresentar uma oferta para Cemig e sua controlada Light avaliando os 67 por cento de participação de controle das companhias na Renova em 9 reais por Unit da empresa, disse a fonte, que pediu anonimato porque a negociação permanece privada.

Uma rodada final de due diligence na Renova mostrou que um projeto apresentou um déficit que não havia sido contabilizado anteriormente, afirmou a fonte, sem dar detalhes e sem abrir o nome do empreendimento.

A Brookfield pode pagar à Cemig e Light 7 reais por Unit logo no fechamento do negócio, com o restante sendo desembolsado após a conclusão do projeto eólico Alto Sertão III, cujas obras estão em fase final, disse a fonte.

Um porta-voz da unidade brasileira da Brookfield recusou-se a comentar o assunto.

A Reuters informou na sexta-feira passada que a Brookfield estava considerando oferecer até 11,75 reais por Unit da Renova para facilitar um acordo. Cada Unit da Renova representa uma ação ordinária e duas preferenciais.

Além do problema verificado na análise de dados da Renova, a situação financeira precária da Cemig também desempenha um papel na decisão de Brookfield, disse a fonte.

A Cemig, a empresa elétrica mais endividada do Brasil, tem lutado para vender ativos este ano e enfrenta 9 bilhões de reais em vencimentos de dívidas até o final de 2018.

As Units da Renova caíram mais de 1 por cento para 9,25 reais nesta quinta-feira, após cinco sessões consecutivas de ganhos. A especulação de um acordo iminente com Brookfield levou as Units a subirem 29 por cento ao longo do último mês.

A oferta ainda não foi enviada formalmente à Cemig, Light e Renova, disse a fonte, observando que ela poderia ser submetida "dentro de alguns dias".

A obtenção do assentimento da Cemig e da Light permitiria que a Brookfield, com sede em Canadá, assumisse o controle da Renova de forma mais assertiva e se expandisse de forma mais rápida no setor de energia renovável do Brasil.

Últimas Notícias

Ver mais
BRK Ambiental desiste de oferta de ações na B3
seloMercados

BRK Ambiental desiste de oferta de ações na B3

Há um ano

BRK Ambiental vai tentar ser 1º IPO de 2022, em busca de R$ 2 bi
Exame IN

BRK Ambiental vai tentar ser 1º IPO de 2022, em busca de R$ 2 bi

Há um ano

Brookfield compra 12 prédios da Br Properties por R$ 5,9 bilhões
seloNegócios

Brookfield compra 12 prédios da Br Properties por R$ 5,9 bilhões

Há um ano

5 ações de empresas em recuperação judicial
seloMercados

5 ações de empresas em recuperação judicial

Há um ano

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais