Negócios

Bradesco mira centro da meta de crédito para 2015

O intervalo de alta é de 5% a 9%


	Bradesco: o intervalo de crescimento estimado pelo banco para os empréstimos está em linha com o desempenho da economia brasileira
 (Paulo Fridman/Bloomberg)

Bradesco: o intervalo de crescimento estimado pelo banco para os empréstimos está em linha com o desempenho da economia brasileira (Paulo Fridman/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 30 de janeiro de 2015 às 13h26.

São Paulo - O Bradesco espera alcançar o centro da projeção deste ano para o crescimento da carteira de crédito, de alta de 5% a 9%, de acordo com Luiz Carlos Angelotti, diretor executivo gerente e de Relações com Investidores do banco.

"O centro da faixa, de 7%, é mais que a expansão que tivemos no ano passado, de 6,5%. Acreditamos que é possível crescer e manter a qualidade da nossa carteira", afirmou ele, em teleconferência com analistas e investidores, nesta manhã.

Segundo ele, o intervalo de crescimento estimado pelo Bradesco para os empréstimos está em linha com o desempenho da economia brasileira.

O executivo lembrou ainda que o banco tem atuação diversificada, com 76% dos negócios gerados vindo de outras atividades. Somente seguros, conforme citou ele, representa em média 30% dos resultados do Bradesco.

Também na teleconferência, Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do Bradesco, reforçou que o crescimento da carteira de crédito foi "modesto" apesar da conjuntura econômica não ter sido tão favorável.

"Tivemos evolução do crédito superior ao PIB. O crescimento da nossa carteira de crédito foi adequado às condições da economia brasileira, com maior velocidade em linhas de menor risco", afirmou ele.

Trabuco reafirmou ainda que 2015 será um ano desafiador, mas há visão otimista a partir de 2016. "Reafirmamos nossa nota de confiança e respeito à economia brasileira e ao programa da nova equipe econômica que deve recolocar o País já a partir de 2016 em uma rota de crescimento saudável e duradoura", disse o presidente do Bradesco.

O banco iniciou ontem a temporada de balanços dos grandes bancos ao divulgar lucro líquido contábil no quarto trimestre de 2014, elevação de 29,7% em relação ao mesmo intervalo de 2013, de R$ 3,079 bilhões.

No ano, o lucro líquido contábil do Bradesco foi a R$ 15,089 bilhões, cifra 25,6% maior em relação ao de 2013, que ficou em R$ 12,011 bilhões.

Receita de serviços

O diretor executivo gerente e de Relações com Investidores Luiz Carlos Angelotti, também afirmou que as receitas de serviços devem continuar crescendo na casa de dois dígitos. Para este ano, a meta da instituição é que esses ganhos avancem entre 8% a 12%.

"Os ganhos com cartões devem ser um dos destaques com conta corrente também, tendo maior avanço ao longo do ano por conta da segmentação e base de clientes (26,5 milhões)", completou.

As receitas de cartões do Bradesco no quarto trimestre, beneficiadas pelas compras de fim de ano, cresceram 12,8% no quarto trimestre ante um ano, para R$ 2,161 bilhões.

Na comparação com o terceiro trimestre a alta foi de 6,8%. Em conta corrente, os ganhos subiram 11,4% e 5,4%, respectivamente, para R$ 1,080 bilhão.

No ano passado, as receitas com prestação de serviços do banco totalizaram R$ 22,089 bilhões, aumento de 11,6% ante 2013, de R$ 19,786 bilhões. O crescimento ficou em linha com a projeção de alta de 11% a 14% do Bradesco.

Acompanhe tudo sobre:BancosBradescoCréditoEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasFinanças

Mais de Negócios

Startup do Paraná que ajuda call center a ligar para você compra empresa e mira R$ 100 milhões

Eles voltaram: depois de Floripa e POA, patinetes desembarcam no Rio e irão chegar a São Paulo

O bilionário de 80 anos que ficou US$ 40 bilhões mais rico num ano – e US$ 2,8 bi mais rico em 24h

Como o chef João Diamante está ajudando a mudar o mundo por meio da alimentação

Mais na Exame