• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Entre as Big Techs, apenas Apple (AAPL34) e Microsoft aumentam lucros

As Big Techs, as grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos, divulgaram seus resultados e decepcionaram muita gente.
 (Getty Images/Cris Faga/NurPhoto)
(Getty Images/Cris Faga/NurPhoto)
Por Carlo CautiPublicado em 02/05/2022 09:14 | Última atualização em 02/05/2022 14:29Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Entre o início de janeiro e o final de março, as Big Techs, as grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos obtiveram um lucro líquido de US$ 63,39 bilhões (cerca de R$ 316 bilhões).

No mesmo trimestre de 2021 o lucro das Big Techs - Amazon (AMZO34), Apple (AAPL34), Netflix (NFLX34), Alphabeth (Google) (GOGL34), Meta (Facebook) (FBOK34) e Microsoft (MSFT34), tinha sido de US$ 76,32 bilhões.

A queda anual foi de -20,4%.

Em termos de receitas, a tendência foi contrária.

O faturamento total das Big Techs foi de US$ 366,86 bilhões contra US$ 328,45 bilhões no mesmo período do ano passado.

A alta foi de 11,7%.

Só que é preciso entender o contexto além dos números, analisando os detalhes para compreender dinâmica de cada empresa individualmente.

Amazon (AMZO34) tem resultado negativo

Por exemplo, a Amazon (que na última sexta-feira colapsou na Nasdaq), registrou um prejuízo líquido de US$ 3,8 bilhões no primeiro trimestre de 2022.

Há 12 meses o lucro havia sido de US$ 8,1 bilhões.

No entanto, esse prejuízo não se deve à atividade da maior varejista on line do mundo, mas à desvalorização de US$ 7,6 bilhões de sua participação na Rivian, produtora de carros elétricos.

Fica evidente, portanto, que o número de lucros líquidos acumulados, mesmo diante do fato de o lucro operacional dos grandes nomes de alta tecnologia ser o aumento de 1,2% para 84,6 bilhões, não é tão significativo.

Os produtos ligados aos serviços em nuvem não foram suficiente para melhorar os resultados da Amazon.

Tradicionalmente o verdadeiro motor do grupo, esses serviços de "cloud" geraram um lucro operacional de US$ 6,5 bilhões, um aumento de mais de 50% em relação ao ano anterior.

No entanto, a tendência não foi suficiente para compensar o aumento dos custos operacionais nas plataformas de e-commerce, necessários para suportar o crescimento.

Por outro lado, o também não conseguiram amenizar a quedadas compras online após a volta ao normal com o final da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19).

Por último, a redução do poder de compra das famílias, por causa do aumento da inflação e da situação macroeconomica mais complicada, também contribuiu pra reduzir as compras on line e piorou os resultados da Amazon.

Netflix (NFLX34) também sofre

No caso da Netflix, as coisas são diferentes.

A plataforma de streaming passou de um lucro de US$ 1,7 bilhão no primeiro trimestre de 2021 para um lucro de US$ 1,5 bilhão entre janeiro e março deste ano.

A redução das compras on line por parte das famílias com menor poder aquisitivo, por causa da inflação disseminada no mundo inteiro e pela situação macroeconômica mais complicada, está entre as causas das dificuldades da Netflix.

Inflação e menos dinheiro no bolso levam a escolhas, e talvez a reduzir as assinaturas.

Além disso, a crescente concorrência e o fenômeno do compartilhamento de assinaturas acabaram impactando as contas da plataforma.

Mas a incerteza e a volatilidade do contexto socioeconômico induzem cautela, por exemplo, também no âmbito da própria publicidade.

A dinâmica da publicidade digital, importante para a Alphabet e essencial para a Meta, deixará sua marca nos próximos trimestres.

Para algumas das Big Techs, as perspectivas não são tão boas.

Mas há ainda analistas que consideram essa situação apenas como transitória, prevendo que a rentabilidade voltará a crescer após esse ajuste de curto prazo.

Apple (AAPL34) e Microsoft (MSFT34) foram as melhores Big Techs

Por outro lado, Apple e Microsoft não decepcionaram (pelo menos até agora).

A Microsoft teve uma alta no lucro no primeiro trimestre do ano, chegando a US$ 16,7 bilhões, contra US$ 15,4 bilhões.

O grupo fundado por Bill Gates teve um faturamento de US$ 49,36 bilhões contra US$ 41,7 do primeiro trimestre de 2021. 

O grande motor dos negócios da Microsoft foram os serviços de TI na nuvem "Azure".

A divisão da "nuvem inteligente" viu as receitas subirem 26% para US$ 19,05 bilhões.

A Apple, por sua vez, registrou um lucro de US$ 25 bilhões no primeiro trimestre desse ano, superior aos US$ 23,6 bilhões registrados no mesmo período do ano passado.

A receita subiu para US$ 92,3 bilhões e o lucro por ação ficou em US$ 1,52.

A empresa superou as estimativas para o primeiro trimestre do ano.

Um desempenho - apoiado, entre outras coisas, pelas vendas de iPhones, MacBooks e fones de ouvido - que possibilitou registrar o melhor primeiro trimestre de todos os tempos.

Detalhe, a Apple, inicia seu ano contábil em outubro. Portanto, para ela esse seria o segundo trimestre.

Agora, a produtora do iPhone está prevendo um impacto negativo nas receitas do próximo trimestre entre US$ 4 e US$ 8 bilhões de dólares.

Isso, sobretudo, por causa da escassez de microchips por causa de gargalos nas cadeias de suprimentos.

Em suma, os resultados das Big Techs foram de altas e baixas, dependendo da empresa.

Mas a análise detalhada dos balanços mostra como cada uma das Big Techs tem seus próprios pontos de força e seus problemas próprios do modelo de negócios.