Negócios

BB Seguridade tem lucro líquido ajustado 11% menor no 3º tri

O resultado financeiro consolidado da BB Seguridade para o período recuou 85,9% no ano a ano

Banco do Brasil, em Brasília. (Adriano Machado/Reuters)

Banco do Brasil, em Brasília. (Adriano Machado/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 8 de novembro de 2021 às 10h50.

A BB Seguridade reportou nesta segunda-feira lucro líquido ajustado de 975,8 milhões de reais no terceiro trimestre, queda de 11% ante mesmo período de 2020, afetada por marcações a mercado negativas da Brasilprev e pelo aumento de 5 pontos percentuais na alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para seguradoras.

Segundo o braço de seguro e previdência do Banco do Brasil, o resultado trimestral foi impactado negativamente por um "descasamento temporal" na atualização de ativos e passivos vinculados ao IGP-M na Brasilprev.

 Aproveite a nova temporada de balanços para investir! Baixe o e-book gratuito "Indicadores de valor: como ler o balanço de uma empresa"

"Em bases normalizadas, segregando esse efeito que é nulo para o resultado ao longo do tempo, o lucro líquido ajustado cresceria 7,1%", disse a BB Seguridade, acrescentando que sem o aumento da CSLL o lucro líquido ajustado teria avançado 10,2% na comparação anual.

O resultado financeiro consolidado da BB Seguridade para o período recuou 85,9% no ano a ano, diante da marcação a mercado negativa gerada pela abertura da estrutura a termo de taxa de juros nominal e real, disse a empresa.

A BB Seguridade ainda reportou um impacto negativo de 16,2 milhões de reais advindo da Brasilseg, afetada por uma maior sinistalidade nos produtos com cobertura de morte e rurais e pelo aumento na CSLL.

"Por outro lado, o segmento de distribuição, notadamente a BB Corretora, manteve a dinâmica de crescimento (+32,6 milhões de reais), com maiores receitas de corretagem, suportadas pelo bom desempenho comercial em seguros e previdência", afirmou a empresa em comunicado.

A BB Seguridade ainda revelou ter revisado seu "guidance" para as reservas de previdência (PGBL e VGBL) da Brasilprev em 2021, passando a projetar um aumento de 0% a 2% no ano completo. Antes, a empresa via um crescimento de 4% a 7%.

"Apesar do volume de contribuições recorde até o mês de setembro, os resgates (na Brasilprev) foram acima do esperado", disse a BB Seguridade, mencionando entre os principais motivos a morte de titulares em decorrência da Covid-19.

O futuro do varejo é 100% digital? Entenda assinando a EXAME por menos de R$ 11/mês.

Acompanhe tudo sobre:BalançosBB SeguridadeBB – Banco do Brasil

Mais de Negócios

40 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Ele cansou de trabalhar em telecom. Agora, faz mais de R$ 1 mi com franquia de serviços automotivos

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Mais na Exame