BASF e Syngenta fazem ofertas por ativos Bayer-Monsanto

A Bayer planeja vender ativos para conseguir aprovação regulatória para a aquisição da gigante de sementes Monsanto por US$ 66 bilhões

Londres/Frankfurt - A BASF e a Syngenta estão entre as companhias que apresentaram ofertas preliminares pelos ativos que a Bayer planeja vender para conseguir aprovação regulatória para a aquisição da gigante de sementes Monsanto por US$ 66 bilhões, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

As duas companhias mostraram interesse preliminar na aquisição dos negócios, que incluem canola, sementes de algodão e a linhagem resistente a herbicidas LibertyLink e seu herbicida de glufosinato, disseram as pessoas, que pediram anonimato porque as deliberações são privadas.

A Bayer também poderá vender as operações de alho e sementes de pimenta separadamente ou como parte do pacote completo, disseram as pessoas. No total, as operações vendidas poderão chegar a US$ 2,5 bilhões a US$ 3 bilhões, disseram.

Executivos da BASF e da Syngenta haviam dito anteriormente que buscariam apresentar ofertas pelos ativos que a Bayer está vendendo para concluir a fusão com a Monsanto neste ano.

As discussões estão em fase inicial e as disposições ainda poderão demorar alguns meses para serem concluídas, disseram as pessoas. Nenhuma decisão final foi tomada e as companhias ainda poderiam decidir não avançar com as propostas, disseram.

Representantes da BASF, da Syngenta e da Bayer preferiram não comentar.

A Bayer colocou os ativos à venda no início do ano e convidou os interessados a apresentarem ofertas pelo pacote completo ou por negócios individuais, possivelmente se antecipando às preocupações das autoridades antimonopolistas em meio à consolidação dos setores de sementes e de pesticidas, disseram anteriormente pessoas com conhecimento do assunto.

A BASF não tem participado da onda de compras da indústria agroquímica até o momento, mas a Syngenta passa por um processo de venda para a China National Chemical Corp., um negócio de US$ 43 bilhões.

A DuPont fechou acordo para venda de seus ativos de proteção de safras à FMC em março para conseguir a aprovação da fusão com a Dow Chemical pelos órgãos reguladores.

Para a BASF, a decisão de adquirir os ativos de sementes da Bayer também seria um distanciamento em relação a sua estratégia atual, focada na proteção de lavouras.

A unidade de soluções agrícolas da companhia registrou 5,57 bilhões de euros (US$ 6,25 bilhões) em receita no ano passado, 4,3 por cento menos que no ano anterior.

A Bayer está reforçando seu balanço antes da aquisição planejada da Monsanto. Neste mês, a empresa levantou cerca de 2,1 bilhões de euros vendendo ações e títulos conversíveis da fabricante de produtos químicos Covestro, lucrando com o rápido aumento do preço das ações desde a separação da unidade, em 2015.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.