Negócios

Banco UBS proíbe saias apertadas e lingerie colorida

Código de conduta de vestuário também restringe o uso de unhas pintadas com cores chamativas

Com as regras, o banco suíço UBS está tentando resgatar sua reputação depois da crise de 2008  (EXAME/ Arquivo)

Com as regras, o banco suíço UBS está tentando resgatar sua reputação depois da crise de 2008 (EXAME/ Arquivo)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de dezembro de 2010 às 14h11.

São Paulo - Uma onda moralista invadiu o banco de investimentos suíço UBS. Com a finalidade de resgatar sua imagem, abalada com o impacto da crise financeira mundial de 2008, a empresa estipulou um código de vestuário bastante rígido para seus funcionários. O documento de 43 páginas estipula, por exemplo, que as mulheres usem apenas saias largas, que não fiquem muito apertadas na parte de trás.

Também há regras para as roupas íntimas, que precisam ser sempre da cor da pele, para que não possam ser vistas através ou para fora do traje. Jóias devem ser discretas e as unhas não podem ser coloridas. Tatuagens e piercings devem ser escondidos, uma vez que simbolizam falta de profissionalismo. Sapatos apertados também devem ser evitados, pois, segundo eles, “não há nada pior do que um sorriso tenso”. Para quem gosta de tingir os cabelos, nada de deixar as raízes naturais aparecerem e denunciarem a cor artificial dos fios.

Para usar terninho, o regulamento ordena deixar os botões da jaqueta sempre fechados enquanto a funcionária estiver de pé. Se ela estiver sentada, os botões devem ficar abertos. Retirar a jaqueta só é permitido em dias de muito calor e com a autorização do supervisor. Quem usa óculos precisa escolher armações discretas, pouco modernas e sem cores ou design chamativos.

Regras para homens

Os homens também receberam orientações de moda para freqüentar o trabalho. Uma delas é escolher gravatas cuja aparência combine com a “estrutura óssea” do rosto. Os blazers devem ser de corte reto e ter dois botões, e as calças precisam compor um terno profissional clássico. É proibido, ainda, deixar a barba por fazer e recomenda-se ir ao cabeleireiro a cada quatro semanas. O código estipula também que, tanto eles quanto elas devem evitar cheiro de perfume forte, cebola, alho e fumaça de cigarros.

Em comunicado, o banco justifica essas e outras normas ao afirmar que “a reputação do UBS é o nosso bem mais precioso. Portanto, adotar um comportamento irrepreensível implica ter uma apresentação impecável”. Inicialmente, as regras estão sendo implantadas em cinco agências na Suíça e, segundo o banco, os funcionários estão reagindo bem às normas.

Acompanhe tudo sobre:ExecutivosGestão de pessoasgestao-de-negociosModaRecursos humanos (RH)

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame