Acompanhe:
seloNegócios

Balanço da Philip Morris mostra como está o cigarro na covid-19

Apesar dos prejuízos à saúde, o cigarro pode ser buscado como refúgio em momentos de grande nervosismo como o atual

Modo escuro

Continua após a publicidade
Iqos, da Phillips Morris: produtos eletrônicos têm margem maior que a do cigarro tradicional (Kim Kyung-Hoon/Reuters)

Iqos, da Phillips Morris: produtos eletrônicos têm margem maior que a do cigarro tradicional (Kim Kyung-Hoon/Reuters)

D
Denyse Godoy

Publicado em 15 de abril de 2020 às, 06h06.

Última atualização em 15 de abril de 2020 às, 06h53.

As fabricantes de cigarro, que há alguns anos admitem publicamente que o fumo causa câncer, estão tendo que lidar com uma nova saraivada de críticas neste início de 2020: as lesões causadas aos pulmões também colocam os tabagistas no grupo de risco da infecção respiratória covid-19, a qual já matou quase 2 milhões de pessoas no mundo todo. Mas o balanço do primeiro trimestre da americana Philip Morris, a ser divulgado hoje, deve trazer uma boa notícia para seus investidores.

Os analistas de mercado estimam que a receita da Philip Morris tenha subido 0,6% no período de janeiro a março deste ano em comparação com o mesmo intervalo de 2019, para 6,79 bilhões de dólares. Se confirmada, é uma alta a ser comemorada por um setor que só vê cair a demanda global pelo seu principal produto, o cigarro de papel.

A esperada elevação do faturamento da Philip Morris deve ser motivada principalmente pelo crescimento das vendas dos dispositivos eletrônicos desenvolvidos justamente para substituir o cigarro tradicional.

A principal linha da fabricante americana nesse segmento é a do Iqos, que se assemelha a uma caneta e apenas aquece uma carga de tabaco inserida no tubo, soltando um vapor suave. Segundo a Philip Morris, é a queima do fumo no cigarro comum que libera substâncias cancerígenas, então o processo alternativo minimiza os danos.

Ainda faltam pesquisas científicas independentes a confirmar essa teoria, porém autoridades respeitadas como o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido defendem o uso dos cigarros eletrônicos por quem quer parar de fumar gradativamente.

Aos poucos, esses dispositivos também têm substituído os cigarros de papel em importância para as finanças das fabricantes. Com maior margem de lucro, o Iqos deve ter ajudado a impulsionar o ganho por ação da Philip Morris em 3% no primeiro trimestre do ano, para 1,12 dólar.

Neste ano, as ações da Philip Morris perderam 9,4% na bolsa de Nova York, reduzindo o valor de mercado da companhia para 120,2 bilhões de dólares. A baixa, entretanto, foi menor do que a do índice de referência S&P 500 nesse período, de 12,6%. Apesar dos prejuízos à saúde, o cigarro pode ser buscado como refúgio em momentos de grande nervosismo como o atual. Se a indústria pode oferecer também um produto alegadamente menos danoso, consegue melhorar as suas perspectivas mesmo em meio a uma tragédia de saúde pública.

Últimas Notícias

Ver mais
Anvisa mantém proibição de cigarros eletrônicos no país
Brasil

Anvisa mantém proibição de cigarros eletrônicos no país

Há um dia

Cigarro eletrônico: Anvisa adia para sexta-feira, 19, debate sobre uso do aparelho
Brasil

Cigarro eletrônico: Anvisa adia para sexta-feira, 19, debate sobre uso do aparelho

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais