A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

As apostas de Abílio Diniz ao sair do Pão de Açúcar

Depois de vender as últimas ações do grupo varejista, Diniz se torna um investidor

São Paulo – Abílio Diniz vendeu as últimas ações do Grupo Pão de Açúcar e saiu da empresa. As vendas deste último lote somaram R$ 450 milhões na semana passada. Mas engana-se quem pensa que o empresário do varejo irá se aposentar.

Nos últimos meses, Abílio e sua família estão fazendo diversas aquisições e compras de ações, a partir do grupo Península Participações, o braço de investimentos da família Diniz.

A empresa gerencia R$ 10 bilhões, entre investimentos líquidos, imóveis e o caixa a ser ainda aplicado.

Hoje, são mais de cem profissionais na Península, comandados por Eduardo Rossi, presidente executivo e de investimentos do grupo.

A partir das vendas das ações e lojas do Pão de Açúcar, o grupo arrecadou R$ 5,3 bilhões. A Península está investindo em empresas de educação, indústrias e varejo, a origem de Abílio Diniz.

Anima Educação

A família do empresário adquiriu ações da companhia de ensino Anima Educação, dona da faculdade São Judas Tadeu, de São Paulo.

No dia 23 de setembro, obtiveram 5 milhões de ações ordinárias, equivalentes a 6,03% do capital da empresa de educação. Esta é a aplicação mais relevante do fundo até agora. As ações foram compradas do fundo BR Educacional, que passa a ter 4,14% de fatia na Anima. 

Fontes informaram que os papéis foram vendidos por um valor próximo de sua cotação na Bolsa. Por esse cálculo, a família teria investido cerca de R$ 138 milhões.

BRF

A Brasil Foods faz parte, hoje, do setor mais importante do grupo, o de projetos grandes e estratégicos. Com R$ 1,5 bilhão aplicado na empresa de alimentos, Diniz é também o presidente do conselho.

Eduardo Rossi, presidente executivo e de investimentos do grupo, explicou ao jornal Valor que “este segmento deve ter mais uma grande empreitada e, no máximo, mais duas”. 

Carrefour

O empresário Abílio Diniz não conseguiu ficar muito tempo longe do varejo. Fontes afirmaram ao jornal O Estado de S. Paulo que ele teria investido R$1 bilhão para a aquisição de quase 3% das ações do Carrefour.

Em maio deste ano, Diniz se tornou o quarto maior acionista do grupo francês de supermercados. Abilio Diniz ampliou sua participação acionária no grupo de 1% a uma taxa que varia de 2% a quase 3%.

As transações, que envolveriam três bancos europeus, movimentaram entre € 200 milhões e € 500 milhões.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também