Negócios

Anfavea suspende vice-presidente tesoureiro preso na Zelotes

O executivo foi preso nesta manhã pela Polícia Federal, em mais uma fase da Operação Zelotes


	De acordo com a Anfavea, a decisão foi tomada pelo presidente da associação, Luiz Moan
 (Antonio Cruz/Abr)

De acordo com a Anfavea, a decisão foi tomada pelo presidente da associação, Luiz Moan (Antonio Cruz/Abr)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de outubro de 2015 às 19h20.

Brasília - A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) suspendeu nesta segunda-feira, 26, por prazo indeterminado, o vice-presidente tesoureiro da entidade, Mauro Marcondes.

O executivo foi preso nesta manhã pela Polícia Federal, em mais uma fase da Operação Zelotes.

De acordo com a Anfavea, a decisão foi tomada pelo presidente da associação, Luiz Moan, após as reportagens publicadas nesta segunda-feira sobre a Operação Zelotes.

Em nota assinada por Moan, a entidade informou que a suspensão se dará "pelo período necessário para defesa e conclusão do processo investigativo pelos órgãos institucionais".

Na Anfavea, Marcondes representava a MMC Automotores do Brasil, responsável pela produção de veículos da Mitsubishi no país.

Como revelou o jornal O Estado de S.Paulo com exclusividade no início do mês, o executivo é investigado pela PF por suposto lobby para compra de Medida Provisória por parte de montadoras no segundo governo Lula.

Veja a nota:

"Tendo em vista as reportagens publicadas hoje pela imprensa sobre a Operação Zelotes, reiteramos que tratam-se de casos particulares dos citados. Contudo, em defesa da coletividade e dos interesses de nossas associadas, a entidade está suspendendo temporariamente o atual representante da MMC Automotores do Brasil Ltda. de sua Diretoria pelo período necessário para defesa e conclusão do processo investigativo pelos órgãos institucionais".

Acompanhe tudo sobre:AnfaveaCorrupçãoEscândalosFraudesOperação ZelotesPrisões

Mais de Negócios

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Após crise de R$ 5,7 bi, incorporadora PDG trabalha para restaurar confiança do cliente e do mercado

Após anúncio de parceria com Aliexpress, Magalu quer trazer mais produtos dos Estados Unidos

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Mais na Exame