Negócios

Americanas aposta no futuro com primeira loja 'pegue e leve' e IA

Batizada de Ame Go, loja inaugurada no Rio de Janeiro é equipada com tecnologia de visão computacional, que "enxerga" quais produtos os clientes pegaram

Ame Go: valor das compras é debitado do aplicativo logo após a saída do cliente da loja (Ame Go/Divulgação)

Ame Go: valor das compras é debitado do aplicativo logo após a saída do cliente da loja (Ame Go/Divulgação)

Victor Sena

Victor Sena

Publicado em 23 de novembro de 2021 às 12h27.

Última atualização em 24 de novembro de 2021 às 10h22.

A Americanas S.A. inaugurou a primeira loja autônoma Ame Go nesta terça-feira, 23 de novembro, no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro.

Com o conceito “pegou, levou”, sem vendedores, sem fila e sem checkout, a loja tem produtos de primeira necessidade, como material de higiene, acessórios para celular e snacks. A loja será a primeira autônoma da companhia a operar em ambiente de alto fluxo.

Há dois anos a Americanas S.A. vem testando o modelo dentro de um condomínio e nos escritórios da empresa.

Dentro do espaço, são 32 câmeras que fazem uma biometria corporal do cliente que acabou de passar pela catraca com o aplicativo da Ame. Nas prateleiras, 242 balanças reconhecem quais produtos foram retirados.

O valor das compras é debitado do aplicativo logo após a saída do cliente da loja, que não precisa fazer checkout. Toda a tecnologia parte de uma parceria com a startup americana Zippin, especializada em modelos autônomos.

A empresa aposta que a tecnologia de computer vision deve ficar mais eficiente conforme os clientes começarem a fazer compras. Isso porque ela é baseada em deep learning, uma complexificação da inteligência artificial que permite que a tecnologia "aprenda" com o tempo.

Neste momento, a Americanas pretende focar em apresentar essa tecnologia ao público para o consumidor brasileiro antes de abrir mais lojas da Ame Go.

Nos Estados Unidos, a Amazon lançou em 2018 as lojas Amazon Go na cidade de Seattle, no estado de Washington, que funciona com tecnologia semelhante. Hoje, são 29 pelo país.

Tanto a ideia da Ame Go quanto da Amazon é de proporcionar experiências de compras sem fricção. Esse termo se refere a cada parada ou necessidade de ação exigido durante uma compra, que atrasam e interrompem o cliente durante a jornada.

Acompanhe tudo sobre:AmericanasComprasempresas-de-tecnologiaEXAME-no-InstagramInteligência artificial

Mais de Negócios

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Ele quer chegar a 100 lojas e faturar R$ 350 milhões com produtos da Disney no Brasil

Shopee ultrapassa Amazon e se torna segundo e-commerce mais acessado do Brasil em maio; veja a lista

Por que a Cimed está disposta a pagar R$ 450 milhões pela Jequiti

Mais na Exame