Negócios

Amazon faz 25 anos: no próximo ciclo, meta é prever um infarto

Empresa fundada por Jeff Bezos em 1994 foi de uma livraria online a maior varejista do mundo e fornecedora de tecnologia

Jeff Bezos em foto de 1997: Amazon começou como livraria online numa época em que só 0,4% da população mundial usava a internet (Paul Souders/Getty Images)

Jeff Bezos em foto de 1997: Amazon começou como livraria online numa época em que só 0,4% da população mundial usava a internet (Paul Souders/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 5 de julho de 2019 às 07h03.

Última atualização em 5 de julho de 2019 às 12h21.

Foi em 5 de julho de 1994 que um ex-funcionário de um fundo de investimentos que havia acabado de largar o emprego abriu oficialmente uma loja online de livros em sua garagem em Seattle, nos Estados Unidos. Vinte e cinco anos depois, a Amazon, fundada pelo engenheiro Jeffrey Preston Bezos, é uma empresa de 1 trilhão de dólares que vende de livros a compras de supermercado, além de assistentes digitais e softwares.

Um dos maiores méritos de Bezos — aos 55 anos, um dos homens mais ricos do mundo, com patrimônio de 121 bilhões de dólares — foi antever o sucesso dos serviços via internet numa época em que apenas 0,45% do mundo tinha acesso à rede.

Nos últimos 25 anos, a Amazon (que deveria ter se chamado Cadabra segundo o primeiro nome criado por Bezos) teve marcos como a abertura de capital (em 1997), começar a vender roupas (em 2002), lançar o serviço de assinatura Prime (2005), o leitor digital Kindle, grande responsável por popularizar os e-books (2007), e a assistente via inteligência artificial Alexa (em 2014).

No Brasil, a Amazon chegou em 2012, primeiro com o Kindle e vendendo apenas livros. Neste ano, abriu seu primeiro centro de distribuição na América do Sul, em Cajamar (SP), e começou a oferecer outras categorias de produtos. A operação por aqui ainda é pequena, mas as varejistas nacionais se preparam para o dia em que a Amazon decidir chegar com todo seu poder de fogo. Nesta edição de EXAME sobre os planos de expansão do varejista brasileiro Magazine Luiza, a Amazon Brasil afirmou que pretende, por ora, apenas aumentar a oferta de produtos nas categorias que já oferece por aqui.  Apesar do poderio do Magalu, a brasileira faturou em 2018 cerca de 4 bilhões de dólares (15 bilhões de reais), nada comparado aos 233 bilhões de dólares da Amazon no mundo.

Para o futuro, a Amazon tende a ir além do comércio eletrônico e continuar investindo em serviços de tecnologia e inteligência artificial. Com usuários comprando tudo pela Amazon e fazendo tarefas em casa por meio da Alexa, a coleta cada vez maior de dados e a integração com a internet das coisas também deve ser uma tendência na empresa de Bezos (nesta semana, a empresa afirmou que a Alexa será em breve capaz de prever quando alguém está prestes a ter um infarto). Na corrida pelo varejo e pela tecnologia, a companhia também terá concorrência que vão de outras varejistas, como a americana Walmart e a chinesa Alibaba, a empresas de tecnologia, como Google e Microsoft.

O fato é que a Amazon planeja ir muito além do comércio eletrônico para, assim como Bezos fez em 1994, novamente antecipar os produtos e serviços que a humanidade usará daqui a outros 25 anos.

Acompanhe tudo sobre:AmazonExame HojeEXAME-no-Instagramjeff-bezosKindle

Mais de Negócios

40 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Ele cansou de trabalhar em telecom. Agora, faz mais de R$ 1 mi com franquia de serviços automotivos

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Mais na Exame