Negócios

Air France-KLM supera previsões e volta a ter lucro em 2015

A aérea alcançou resultado operacional de 816 milhões de euros, ante perda de 129 milhões em 2014, disse em comunicado


	Aviões da Air France: a aérea alcançou resultado operacional de 816 milhões de euros, ante perda de 129 milhões em 2014
 (Jacky Naegelen/Reuters)

Aviões da Air France: a aérea alcançou resultado operacional de 816 milhões de euros, ante perda de 129 milhões em 2014 (Jacky Naegelen/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de fevereiro de 2016 às 08h12.

Paris - A aérea franco-holandesa Air France-KLM superou previsões com uma volta ao lucro no ano passado, o que levantou sua ação para perto de uma máxima em nove meses nesta quinta-feira, ajudada pela queda da sua conta com combustível e crescimento no tráfego de passageiros.

A aérea alcançou resultado operacional de 816 milhões de euros, ante perda de 129 milhões em 2014, disse em comunicado. Isso ficou acima da previsão média de 544 milhões em pesquisa da Reuters.

As ações da empresa subiam 10 por cento às 8:17 no horário de Brasília.

A Air France-KLM também disse que reduziu sua dívida líquida para 4,3 bilhões de euros no fim de dezembro, ante 5,4 bilhões um ano antes, e prometeu uma "maior redução significativa" neste ano.

A aérea previu um corte entre 0,8 e 1,2 por cento nos custos unitários em 2016 e geração de fluxo de caixa livre operacional depois de alienações entre 600 milhões e 1 bilhão de euros em 2016, contra 606 milhões no ano passado.

A companhia alertou, contudo, que a pressão sobre os preços de passagens com o aumento da competição corroeria os benefícios do combustível mais barato neste ano, embora tenha mantido suas metas financeiras de médio prazo.

Acompanhe tudo sobre:Air France-KLMcompanhias-aereasCrescimento econômicoDesenvolvimento econômicoEmpresasEmpresas francesasLucro

Mais de Negócios

OPINIÃO: Na lama da tragédia, qual política devemos construir?

Conheça a Rota das Artes, o novo roteiro turístico de Minas Gerais

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Conheça a CEO que nunca descansa, nem cobra salário – isso porque ela é uma inteligência artificial

Mais na Exame