Negócios

Aéreas fazem alertas sobre zika a passageiros em voos

Além do alerta à mulheres grávidas com destino a países em situação epidêmica, as companhias estão dando recomendações aos passageiros sobre o vírus


	Zika a bordo: além do alerta à mulheres grávidas com destino a países em situação epidêmica, as companhias estão dando recomendações sobre os cuidados necessários com o vírus
 (Exame.com/Karin Salomão)

Zika a bordo: além do alerta à mulheres grávidas com destino a países em situação epidêmica, as companhias estão dando recomendações sobre os cuidados necessários com o vírus (Exame.com/Karin Salomão)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de fevereiro de 2016 às 08h39.

Rio de Janeiro - Após anunciar facilidade na troca de passagens para grávidas com destino a países com epidemia de zika, companhias aéreas passaram agora a alertar os passageiros sobre os cuidados necessários em relação ao vírus.

A Gol informou que, desde a terça-feira, 2, avisos sonoros estão sendo feitos dentro de todos os voos da empresa.

"Autoridades de saúde estão em constante ação de combate ao mosquito que transmite zika, dengue e chikungunya. Como medida de prevenção, recomenda-se o uso de repelentes e, se possível, a utilização de roupas leves que protejam a maior parte do corpo", diz o comunicado.

A companhia ainda indica que os clientes procurem um médico caso apareçam sintomas como febre, manchas vermelhas na pele e dores musculares dentro de 15 dias.

A Air France também passou a emitir avisos sonoros "para as regiões afetadas" para avisar os passageiros sobre as medidas de precaução.

"A tripulação também foi informada sobre as mesmas medidas cautelares", disse a empresa em nota. Já a TAM está divulgando informações em seu site e orientando funcionários sobre como evitar a contaminação, combater o mosquito e monitorar sintomas.

Azul, Avianca, KLM e American Airlines disseram que, por enquanto, não vão tomar essa atitude. Na semana passada, aéreas divulgaram que gestantes teriam facilidade na troca de passagem aérea para países afetados pelo zika ou até reembolso integral da tarifa.

Avisos também serão feitos a quem chega ao país pelo mar. O Píer Mauá, na zona portuária do Rio, informou que começará amanhã campanha de alerta sobre as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti aos passageiros dos navios que atracam.

O uso de repelentes será incentivado e panfletos com informações sobre prevenção serão distribuídos no desembarque.

O píer vai fazer campanha de conscientização em sua página no Facebook, com textos e imagens com dicas de prevenção. E informou que fiscaliza regularmente possíveis focos do mosquito.

Turismo

O alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS), que declarou a microcefalia como emergência internacional anteontem, ainda não afetou o turismo no Rio.

As irmãs inglesas Nikki, Malanie e Natasha Kirycuk, de 21, 23 e 24 anos, que visitavam o Pão de Açúcar, zona sul, disseram que, por não estar grávidas, não temem o vírus.

"Soubemos que os sintomas não são tão graves, parecem com os de uma gripe comum. Mas levamos muitas picadas", disse Nikki.

A coreana Sara Kang, de 25 anos, afirmou que não se preocupou com o alerta, mas a reação da família foi diferente. "Como estou sozinha, os parentes já me mandaram várias mensagens perguntando se eu estou me prevenindo com repelentes."

O produto ainda ganhou presença cativa na bolsa da escocesa Karen McGeough, de 51 anos. "Trouxe da Escócia quando soube da epidemia. Mas, como comprei as passagens em novembro, não ia deixar de viajar por causa disso."

 

Acompanhe tudo sobre:Air France-KLMAviaçãoAviancacompanhias-aereasDoençasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas francesasGol Linhas AéreasOMS (Organização Mundial da Saúde)ServiçosSetor de transporteTAMZika

Mais de Negócios

10 franquias baratas de limpeza para empreender a partir de R$ 27 mil

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Mais na Exame