Negócios

Acordo entre Electrolux e GE é encerrado sem sucesso

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos disse que o acordo proposto violava as leis norte-americanas antitruste.


	GE: departamento disse que o acordo proposto violava as leis norte-americanas antitruste
 (Sebastien Bozon/AFP)

GE: departamento disse que o acordo proposto violava as leis norte-americanas antitruste (Sebastien Bozon/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de dezembro de 2015 às 07h35.

Estocolmo - A sueca Electrolux informou nesta segunda-feira que um acordo para comprar o negócio de utensílios domésticos da General Electric foi encerrado depois que a GE quebrou o contrato de 3,3 bilhões de dólares.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos pediu a um tribunal federal em julho que impedisse que a Electrolux comprasse o negócio da GE, e disse que o acordo elevaria os preços em cinco por cento.

"A Electrolux fez amplos esforços para obter aprovação regulatória, e sente muito que a GE tenha interrompido o acordo enquanto os procedimentos processuais ainda estão pendentes", disse a Electrolux em comunicado.

A Electrolux disse que sua estratégia de ampliar a lucratividade em segmentos promissores, categorias de produtos e mercados emergentes está inalterada.

A agência norte-americana concluiu que a Electrolux e a GE, junto com a Whirlpool , produzem 90 por cento dos fogões e fornos vendidos a grandes clientes e administradores de propriedades nos Estados Unidos. O departamento disse que o acordo proposto violava as leis norte-americanas antitruste.

Acompanhe tudo sobre:ElectroluxEmpresasEmpresas americanasEmpresas suecasEstados Unidos (EUA)GE - General ElectricIndústria de eletrodomésticosPaíses ricos

Mais de Negócios

JBS anuncia doação de 1 milhão de quilos de proteína aos desabrigados no Rio Grande do Sul

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Com tecnologia para tirar o Excel da vida de CFOs, Accountfy capta US$ 6,5 mi com HDI e Red Ventures

Eles passaram a vender lanche na garagem durante a pandemia. Agora fazem R$ 6 milhões com hambúrguer

Mais na Exame