Abercrombie vai baixar preços na Hollister para vender mais

Rede de moda para jovens e adolescentes vai reformular marca para voltar a competir com as fast fashion H&M e Forever 21

Hollister: marca vai ser repaginada para entrar no circuito fast fshion (Simon Dawson/Bloomberg)

Hollister: marca vai ser repaginada para entrar no circuito fast fshion (Simon Dawson/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de março de 2014 às 12h04.

São Paulo - A rede de lojas de roupa para jovens e adolescentes Abercrombie & Fitch vai repaginar sua marca Hollister para tentar reverter a queda de 14% nas vendas do ano passado.

A diminuição nas vendas foi pior até do que sua marca principal, que caiu 10% no ano. As informações são do jornal Wall Street Journal.

Entre os planos da rede estão baixar os preços dos produtos Hollister e modificar um pouco o estilo das lojas, para que elas possam competir mais facilmente com as chamadas lojas fast fashion como a H&M, a Forever 21 e até a Zara, que nos últimos anos têm atraído o público jovem até então cativo da Abercrombie.

Essas lojas têm investido em produtos mais baratos ligados à moda, que podem ser substituídos mais fácil e rapidamente. No conceito fast fashion, a ideia é que o consumidor gaste menos dinheiro nas lojas, mas vá até elas mais frequentemente.

A ideia da Abercrombie não é mudar o estilo da Hollister, que faz referências ao surfe, e sim ampliar um pouco seu leque de produtos e alterná-los mais vezes ao ano, fugindo um pouco do que a marca era conhecida por: os produtos básicos e caros. A rede pretende, também, diferenciar um pouco mais uma marca da outra.

Além das reformas na Hollister, a Abercrombie está tomando outras medidas para tentar se reerguer: anunciou o fechamento de 60 a 70 lojas nos Estados Unidos até o fim do ano e a mudança de sua mesa diretora. 

Em janeiro, o presidente executivo Mike Jeffries foi substituído por Arthur Martinez, que agora está à procura de novos diretores para as marcas Abercrombie e Hollister. Mais mudanças devem ser anunciadas em breve.

Mais de Negócios

Cartão de crédito consignado: o que é, como funciona e quem pode contratar

O coworking que eles criaram na garagem de casa supera a pandemia, faz R$ 10 milhões e vai expandir

Grupo J&F anuncia investimento de R$ 25 bilhões e criação de 10 mil empregos no Brasil

Desenrola para empresas: veja perguntas e respostas sobre os novos programas para MEIs

Mais na Exame