Acompanhe:
seloNegócios

"A ética nas empresas não se limita a um manual de boas práticas"

Andreas Pohlmann, um dos maiores especialistas em ética empresarial no mundo, fala sobre o combate à corrupção corporativa no fórum "A Revolução do Novo"

Modo escuro

Continua após a publicidade
Andreas Pohlmann: executivo palestrou em fórum de EXAME e VEJA (Reprodução)

Andreas Pohlmann: executivo palestrou em fórum de EXAME e VEJA (Reprodução)

P
Patrick Cruz

Publicado em 17 de janeiro de 2017 às, 12h50.

Última atualização em 17 de janeiro de 2017 às, 16h55.

São Paulo -- Andreas Pohlmann é considerado um dos maiores especialistas em ética empresarial no mundo. Em 2007, ele foi nomeado o chefe global de compliance (boas práticas) da Siemens, momento em que a empresa de tecnologia alemã tentava emergir de um dos maiores escândalos corporativos da história. Em 2006, uma investigação nos Estados Unidos descobriu que a pagou 1,6 bilhão de dólares em propinas em diversos países. Os subornos foram pagos em troca de contratos públicos.

Como poucos especialistas no mundo, Pohlmann sabe as consequências das más práticas em empresas com atuação global. “A ética nas empresas não se limita a um manual de boas práticas”, disse ele, um dos participantes do fórum A Revolução do Novo, realizado em parceria entre as revistas VEJA e EXAME. “É preciso que isso seja praticado e reforçado aos funcionários constantemente.”

Entrevistado por André Petry, diretor de redação de VEJA, Pohlmann reconheceu a dificuldade de manter negócios totalmente limpos, livres de atalhos como os utilizados pela Siemens para conquistar contratos com governos mundo afora. “Os empregados são sempre colocados à prova com ofertas de facilitação”, afirma. “Mas não pode haver concessões. Decisões erradas podem destruir as vidas e as carreiras de milhares de pessoas.”

Internamente, pressões como a dificuldade de fechar contratos acabam se impondo, afirma o especialista. Áreas de empresas responsáveis por contratos podem se queixar da perda de negócios por causa de regras muito rígidas. A criatividade é uma das respostas possíveis a essa pressão, diz Pohlmann. “Como podemos fazer diferente sem abrir mão de nosso princípios? Isso precisa ser exercitado e reforçado sempre.”

O fórum A Revolução do Novo está sendo realizado no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e se estenderá até o início da tarde desta terça-feira.

Últimas Notícias

Ver mais
Muito além de celulares: como a Xiaomi quer vender 20 milhões de veículos elétricos
seloNegócios

Muito além de celulares: como a Xiaomi quer vender 20 milhões de veículos elétricos

Há 5 horas

40 franquias para empreender e faturar mais de R$1 milhão em 2024
seloNegócios

40 franquias para empreender e faturar mais de R$1 milhão em 2024

Há 23 horas

Internet ruim e apagão: os desafios da startup amapaense Tributei para criar um negócio de milhões
seloNegócios

Internet ruim e apagão: os desafios da startup amapaense Tributei para criar um negócio de milhões

Há um dia

Quem é o mineiro que investiu R$ 38 milhões em um parque de realidade virtual no interior de SP 
seloNegócios

Quem é o mineiro que investiu R$ 38 milhões em um parque de realidade virtual no interior de SP 

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais