Mundo

Ultradireita avança na Bélgica, mas sem destronar conservadores nas eleições nacionais e regionais

Eleições nacionais e regionais coincidiram com as eleições europeias, que também aconteceram neste domingo

Bélgica: eleições nacionais e regionais aconteceram neste domingo, 9 (AFP)

Bélgica: eleições nacionais e regionais aconteceram neste domingo, 9 (AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 9 de junho de 2024 às 17h42.

O maior partido de extrema direita da Bélgica obteve resultados piores do que o esperado neste domingo (9), nas eleições nacionais e regionais que coincidiram com as eleições europeias, segundo as pesquisas de boca de urna.

A Bélgica é um país de 11,7 milhões de habitantes dividido entre a zona de língua holandesa de Flandres, no norte do país, e a Valônia, no sul, onde a população fala francês.

De acordo com as pesquisas de boca de urna, o partido de extrema direita Vlaams Belang conquistou cerca de 22% dos votos em Flandres. Porém, os conservadores do N-VA teriam obtido 25% dos votos.

Na Valônia e em Bruxelas, a capital, as primeiras pesquisas apontam para uma perda de votos para os ambientalistas.

A Bélgica demorou 493 dias para formar um governo de coalizão após as eleições de 2019.

Com o aumento do apoio à extrema direita em Flandres e o avanço da esquerda na Valônia, há receios de que esta situação se repita ou que o recorde estabelecido entre 2010 e 2011, quando os políticos demoraram 541 dias para formar um governo, possa até ser superado.

O chefe do Executivo, Alexander De Croo, da formação liberal Open VLD, que lidera um pacto de sete partidos, tem poucas chances de permanecer no poder.

De Croo deixou a porta aberta para uma possível aliança com o N-VA, mas esta parceria é um dilema, uma vez que parece difícil obter o apoio dos partidos francófonos de esquerda.

Em qualquer caso, o líder do N-VA, Bart De Wever, que surge como o próximo primeiro-ministro, reiterou que não fará um acordo com ultradireitistas do Vlaams Belang.

Acompanhe tudo sobre:Bélgica

Mais de Mundo

Macron dissolve parlamento e convoca novas eleições na França

Setor espacial privado: o novo campo de batalha entre China e Estados Unidos

Ascensão da extrema direita na Alemanha dá pior resultado aos social-democratas nas eleições da UE

Eleições para Parlamento Europeu são encerradas; resultado pode deslocar assembleia para a direita

Mais na Exame