Mundo

Trump promete nova redução de impostos corporativos se eleito

Ex-presidente dos EUA afirma que pretende reduzir a taxa de imposto corporativo para 20% caso retome o poder

Trump tem buscado apoio com líderes de empresa para as eleições de 2024. (Mark Peterson/AFP)

Trump tem buscado apoio com líderes de empresa para as eleições de 2024. (Mark Peterson/AFP)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 14 de junho de 2024 às 06h31.

Última atualização em 14 de junho de 2024 às 10h36.

O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou a um grupo de executivos de grandes empresas americanas que pretende reduzir a taxa de imposto corporativo de 21% para 20%, caso seja reeleito. A declaração foi feita em um encontro privado com líderes empresariais em Washington, organizado pela Business Roundtable, um influente grupo corporativo.

De acordo com o The New York Times, Trump afirmou que essa redução na taxa de imposto tornaria as empresas americanas mais competitivas e criaria empregos. Durante seu primeiro mandato, em 2017, ele já havia reduzido a taxa de 35% para 21%, o que, segundo ele, foi um dos fatores que impulsionaram a economia dos EUA até a pandemia de COVID-19. O ex-presidente ressaltou que pretende estender todas as partes da lei de corte de impostos de 2017, que estão programadas para expirar em 2025, se o Congresso não aprovar nova legislação.

Enquanto o candidato republicano busca apoio entre os líderes empresariais, seu principal oponente, o presidente Joe Biden, propõe uma abordagem diferente. O dono atual do cargo quer manter as taxas reduzidas para rendas modestas e médias, mas permitir que os impostos sobre rendas pessoais acima de 400 mil dólares e sobre grandes heranças aumentem novamente. Ele também propôs elevar a taxa de imposto corporativo para 28%, argumentando que essa medida compensaria a perda de receita do governo e não aumentaria a dívida nacional.

yt thumbnail

Facilitação para empresas

Trump, por sua vez, também destacou seu desejo de acelerar o processo de licenciamento para negócios e reiterou seu compromisso com a desregulamentação. No entanto, ele continua a apoiar medidas econômicas controversas, como a imposição de tarifas mais altas sobre a maioria dos bens importados, o que poderia aumentar os custos para as empresas que dependem de matérias-primas e equipamentos importados e desencadear uma guerra comercial global.

A Business Roundtable também ouviu o chefe de gabinete da Casa Branca, Jeffrey D. Zients, que defendeu as políticas econômicas da administração Biden, que destacou a recuperação econômica dos EUA após a pandemia e as estratégias do governo para competir com a China, argumentando que guerras comerciais e deportações em massa prejudicariam o país.

Embora muitos líderes empresariais tenham criticado as políticas de Biden, a audiência pareceu receptiva aos argumentos de Zients. No entanto, a busca de Trump por apoio entre os executivos empresariais demonstra que ele continua a ser uma figura influente no cenário político e econômico dos Estados Unidos.

 

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpEleições EUA 2024Joe BidenEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Três pontos para prestar atenção na Convenção Republicana, que começa segunda

Argentina declara Hamas como 'organização terrorista internacional'

Para Rússia, mísseis dos EUA na Alemanha transforma capitais europeias em 'vítimas potenciais'

Esquerda francesa enfrenta impasse para nomear primeiro-ministro; entenda

Mais na Exame