Mundo

Trump orquestrou 'esquema criminoso' para influenciar eleições em 2016, diz promotoria em julgamento

Primeiro processo criminal de um ex-presidente americano tem como pano de fundo os esforços do republicano para encobrir um escândalo sexual

Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos (Jabin Botsford-Pool/Getty Images/AFP)

Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos (Jabin Botsford-Pool/Getty Images/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 22 de abril de 2024 às 14h56.

Tudo sobreDonald Trump
Saiba mais

O primeiro julgamento criminal de um ex-presidente dos Estados Unidos teve o início de sua fase oral nesta segunda-feira, 22, quando promotores e advogados apresentaram as declarações iniciais sobre a suposta fraude contábil cometida por Donald Trump.

O caso sem precedentes tem como pano de fundo os esforços do republicano para encobrir um escândalo sexual: ele teria subornado a atriz pornô Stormy Daniels para que ela não comentasse sobre uma relação extraconjugal ocorrida uma década antes na véspera das eleições presidenciais de 2016, na qual Trump saiu vitorioso. Se condenado, o bilionário poderá enfrentar até quatro anos de prisão.

As declarações iniciais do julgamento incluíram uma prévia do que os jurados ouvirão das testemunhas e do que verão em termos de evidências documentais nas próximas seis semanas, tempo previsto para a conclusão do caso. Logo no começo, os promotores de Manhattan afirmaram que o magnata orquestrou um “esquema criminoso” para influenciar o pleito de 2016. Em sua argumentação oral, o promotor Matthew Colangelo declarou que o caso é sobre “uma conspiração criminosa” e que Trump “mentiu repetidas vezes” para ocultar o pagamento de US$ 130 mil (R$ 680 mil, na cotação atual) à Stormy.

A Promotoria tentará demonstrar que Trump orquestrou – ou pelo menos autorizou – que seu então advogado pessoal Michel Cohen tirasse a quantia do próprio bolso para pagar a atriz. Mais tarde, o dinheiro foi devolvido a ele em prestações disfarçadas de “despesas legais”. A acusação também inclui acordos semelhantes ao de Stormy para encobrir outros potenciais escândalos. É o caso, por exemplo, de uma ex-modelo da revista Playboy e de um porteiro que afirmou que o bilionário teve um filho fora do casamento. Para o promotor da Suprema Corte de Manhattan, Alvin Bragg, trata-se de um caso de interferência eleitoral.

A defesa de Trump afirmou que o republicano não cometeu um crime ao pagar Cohen. Advogado do ex-presidente, Todd Blanche disse que o magnata era “inocente” e que “o gabinete do promotor distrital de Manhattan nunca deveria ter aberto este caso”.

Testemunhos podem prejudicar Trump

O primeiro a depor foi David Pecker, ex-editor-chefe do tabloide americano National Enquirer. Ele concordou em trabalhar com Cohen, o advogado de Trump, para suprimir histórias que poderiam prejudicar o republicano durante sua campanha eleitoral – e publicar histórias negativas sobre seus rivais. Pecker, amigo de longa data do magnata, ajudou a intermediar os acordos de silêncio com Stormy e a ex-modelo Karen McDougal, que também disse ter tido um caso com Trump. Em seu depoimento, ele afirmou que, quando era editor, a revista usava o “jornalismo de talão de cheques” e pagava por histórias.

Os advogados do ex-presidente buscaram retratar o tabloide que Pecker presidia como uma empresa de mídia como qualquer outra. O argumento, porém, pode ser enfraquecido pelo comentário do ex-editor sobre a prática do “jornalismo de talão de cheques”. Outra tática de Blanche, advogado de defesa, foi atacar a credibilidade de Cohen, afirmando que o sustento dele “depende de atacar o ex-presidente”. Ele insistiu que os promotores estavam tentando apresentar “atividades perfeitamente legais, como celebrar acordos de confidencialidade, de maneira negativa”. Blanche declarou que “não há nada de errado em tentar influenciar uma eleição: isso é chamado de democracia”.

— Todos os dias ouviremos testemunhos que poderão prejudicar Donald Trump — afirmou Bennett Gershman, ex-procurador e atual professor de direito na Pace University, à AFP. — Será provavelmente o julgamento mais extraordinário da História do país. Os riscos são quase infinitos em termos de quais poderiam ser as consequências [para o magnata].

Trump, que se considera vítima de uma “caça às bruxas”, classifica o julgamento como uma “farsa”. Em meio à campanha pelo seu retorno à Casa Branca nas eleições presidenciais de novembro, o republicano tem manifestado sua insatisfação por precisar comparecer todos os dias ao tribunal de Manhattan enquanto o presidente dos EUA e seu rival na disputa, Joe Biden, tem feito campanha nas ruas. Ao chegar à corte, o magnata disse que o julgamento era “uma interferência eleitoral” e que este era “um dia triste para os Estados Unidos”.

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpEstados Unidos (EUA)Eleições EUA 2024Eleições americanasCrime

Mais de Mundo

EUA: governo avança com acordo de US$ 1 bilhão para envio de armas a Israel

Palácio de Buckingham revela 1º retrato oficial de rei Charles desde coroação

Oito pessoas morrem e 40 ficam feridas em grave acidente de ônibus na Flórida, EUA

Michael Cohen, ex-homem de confiança de Trump, volta ao tribunal

Mais na Exame