Acompanhe:

O ex-presidente Donald Trump declarou nesta sexta-feira que "apoiaria fortemente a disponibilidade da fertilização in vitro" em uma publicação na sua rede social, Truth Social.

O magnata pediu aos legisladores do Alabama que preservassem o acesso ao tratamento após a Suprema Corte do estado decidir que embriões congelados são crianças, o que levou à suspensão de vários programas de fertilização in vitro. Este é o primeiro comentário do candidato à Casa Branca sobre o assunto, que dividiu os republicanos nacionalmente.

"Sob minha liderança, o Partido Republicano sempre apoiará a criação de famílias americanas fortes, prósperas e saudáveis. Queremos tornar mais fácil para as mães e os pais terem bebês, não mais difícil!", escreveu Trump na rede.

A decisão de Suprema Corte do Alabama, formada totalmente por republicanos e um dos colegiados judiciais mais conservadores do país, decidiu na quinta-feira que embriões congelados em tubos de ensaio podem ser considerados crianças de acordo com a lei estadual. Desde então, algumas clínicas e hospitais do Alabama, incluindo o sistema de saúde da Universidade do Alabama em Birmingham, anunciaram pausas nos serviços de fertilização in vitro.

Referindo-se à linguagem antiaborto na Constituição estadual, a opinião majoritária dos juízes disse que uma lei de 1872 que permite aos pais processar por morte injusta de uma criança se aplica a "crianças não-nascidas", sem exceção para "crianças extrauterinas".

"Mesmo antes do nascimento, todos os seres humanos têm a imagem de Deus, e suas vidas não podem ser destruídas sem apagar sua glória", escreveu o chefe de Justiça Tom Parker em uma opinião concordante.

Os juízes emitiram a decisão após a apelação de casais cujos embriões foram destruídos em 2020, quando um paciente do hospital retirou embriões congelados de tanques de nitrogênio líquido e os deixou cair no chão.

Na época, o caso aprofundou as divisões entre os conservadores em relação ao aborto e a outros serviços reprodutivos em meio à campanha eleitoral. Agora, a controvérsia se soma à polarização acerca da proibição nacional do aborto após a decisão da Suprema Corte dos EUA de 2022 que anulou a decisão Roe v. Wade de 1973, que legalizou a prática em todo o país. Desde então, os estados têm proposto as suas próprias legislações sobre o tema.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Julgamento criminal de Donald Trump começa em Nova York nesta segunda
Mundo

Julgamento criminal de Donald Trump começa em Nova York nesta segunda

Há 5 horas

Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses
Mundo

Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses

Há 5 horas

Que horas começa 'O Simpatizante'? Minissérie com Robert Downey Jr. estreia hoje; veja horário
Pop

Que horas começa 'O Simpatizante'? Minissérie com Robert Downey Jr. estreia hoje; veja horário

Há 15 horas

EUA não vão participar de retaliações contra o Irã, diz porta-voz da Casa Branca
Mundo

EUA não vão participar de retaliações contra o Irã, diz porta-voz da Casa Branca

Há 22 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais