SofaGate: em encontro UE-Turquia, a mulher na sala não recebeu uma cadeira

Enquanto os dois presidentes na sala ocuparam suas cadeiras, a presidente da Comissão Europeia, o cargo mais alto da UE, permaneceu de pé sem saber onde se sentar. A cena gerou mal-estar diplomático

Um sofá virou o centro da polêmica da vez na Europa nesta quarta-feira, 7. A "falta de cadeira" em um encontro na Turquia tem sido apontada como um desrespeito a Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia (o órgão Executivo da União Europeia).

Na reunião, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan recebeu von der Leyen e Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, em Ancara, capital da Turquia.

No vídeo do encontro, enquanto Erdogan e Michel ocuparam suas cadeiras em frente às respectivas bandeiras, Von der Leyen permaneceu em pé sem saber onde se sentar. Depois, é colocada não em uma cadeira como a de seus homônimos, mas em um sofá, situado em frente ao presidente turco.

Nas mesmas imagens, é possível escutar claramente Von der Leyen pigarreando para avisar os presentes sobre a falta de assento, enquanto Erdogan e Michel ocupavam as cadeiras principais.

As imagens provocaram uma polêmica imediata em Bruxelas. O confuso episódio já está sendo chamado de "SofáGate" e gerou reações indignadas nas redes sociais e entre deputados da União Europeia. O caso tem sido interpretado como uma afronta à líder da UE e também à única mulher da reunião.

O eurodeputado alemão Sergey Lagodinsky disse no Twitter que o pigarro da presidente representava um jeito de dizer que "essa não é a forma como as relações Turquia-UE deveriam ser".

Após o encontro, um porta-voz da Comissão Europeia, Eric Mamer, disse que a presidente "deveria ter sentado exatamente da mesma forma que o presidente do Conselho Europeu e o presidente turco".

Von der Leyen não comentou o caso em pronunciamentos após a reunião O porta-voz disse que a presidente preferiu priorizar "o conteúdo" do encontro, mas que instruiu sua equipe a iniciar "contatos adequados para garantir que um incidente como este não ocorra no futuro."

Além do protocolo

No papel de presidente da Comissão Europeia, Von der Leyen ocupa o cargo mais alto da hierarquia do bloco, ao lado de Michel.

Ex-ministra da Defesa da Alemanha e protegida da chanceler alemã Angela Merkel, a mandatária representa o braço executivo da União Europeia, sendo, portanto, equivalente a presidentes de países. Michel, que é belga, representa os líderes dos 27 Estados-membros da União Europeia por meio da Presidência do Conselho Europeu.

Hierarquicamente, nenhum dos dois está em posição superior ao outro.

Mas após o episódio de terça-feira, os porta-vozes da UE foram questionados repetidas vezes sobre se a própria estrutura da União Europeia coloca Michel hierarquicamente acima de Von der Leyen. Mamer insistiu que os dois funcionários têm a mesma classificação de protocolo.

Além da polêmica sobre a posição hierárquica dos dois líderes europeus, o episódio abriu espaço para questionamentos sobre possível discriminação de gênero na UE e até sobre a relação entre Bruxelas e Ancara.

Em situação não relacionada, Von der Leyen havia criticado na semana passada a Turquia por sua saída da convenção global de prevenção da violência contra mulheres e crianças. O caso foi lembrado em meio às críticas ao episódio do sofá.

"Primeiro, se retiraram da Convenção de Istambul e agora deixam a presidente da Comissão Europeia sem assento em uma visita oficial. Vergonhoso", escreveu a deputada espanhola Iratxe García Pérez, líder da bancada social-democrata no Parlamento Europeu.

Enquanto isso, a eurodeputada holandesa Sophie in't Veld questionou o porquê de Michel ter permanecido "em silêncio" enquanto sua colega ficava sem cadeira, e disse que isso não havia acontecido em visitas anteriores de presidentes homens da Comissão Europeia à Turquia.

Alguns deputados usaram a hashtag #GiveHerASeat (dê a ela um assento, em tradução livre).

A visita de Michel e Von der Leyen a Ancara teve como objetivo abrir as portas para uma melhoria nas relações entre a UE e a Turquia. A relação entre as partes foi violentamente abalada por várias crises em 2020.

(Com AFP)


Ouça o último episódio do podcast Exame Política

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.