Mundo

Seca de rios na Europa revela navios naufragados, relíquias e bombas da 2ª Guerra

O clima escaldante causou alarme em todo o continente, pois as ondas de calor aumentaram em um ritmo mais acelerado

Partes da União Europeia podem enfrentar mais três meses de condições mais quentes e secas (Getty Images/Getty Images)

Partes da União Europeia podem enfrentar mais três meses de condições mais quentes e secas (Getty Images/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 24 de agosto de 2022 às 18h08.

Das profundezas do poderoso rio Danúbio, os enormes destroços de mais de uma dúzia de navios alemães da Segunda Guerra Mundial ressurgiram mais uma vez, expostos por uma seca que drenou os rios da Europa e levou a alguns dos níveis de água mais baixos desde o século passado.

Os destroços expostos ficaram no fundo do rio por quase oito décadas e só emergem quando o nível da água está extremamente baixo. Um verão extraordinariamente quente e seco afetando toda a Europa derrubou os níveis de água vertiginosamente, criando um perigo para o transporte fluvial local e a pesca no Danúbio.

Mais amplamente, o clima escaldante causou alarme em todo o continente, pois as ondas de calor aumentaram em um ritmo mais acelerado, com os cientistas apontando para o aquecimento global e outros fatores como principais responsáveis.

As temperaturas extremas levaram a colheitas mais baixas e prejudicaram a capacidade da Europa de criar seu próprio suprimento de energia. Elas reduziram a energia hidrelétrica na Noruega e ameaçaram reatores nucleares na França.

O Reino Unido proibiu o uso de mangueiras externas depois que a Inglaterra experimentou seu julho mais seco desde 1935. Na Espanha, cidades da Andaluzia restringiram o uso de água. Na Alemanha, os ambientalistas estão preocupados que lagos e rios secos no centro do país ameacem a sobrevivência de peixes e outros animais selvagens.

A seca também trouxe destaque para relíquias que datam de milhares de anos que às vezes vêm à tona à medida que os níveis de água caem em rios em toda a Europa.

As fundações de uma ponte de 2.000 anos em Roma surgiram no Tibre neste verão. Na Espanha, o Tesouro de Guadalperal, um monumento megalítico de quatro a cinco milênios, muitas vezes comparado a Stonehenge, surgiu das águas a oeste de Madri.

Anteriormente, uma vila na Espanha, que havia sido abandonada e submersa quando os reservatórios artificiais foram construídos na década de 1960, tornou-se visível depois de anos debaixo d'água.

E em julho, pescadores encontraram uma bomba de 450 kg no rio Pó na Itália.

Os navios alemães expostos no Danúbio — o segundo maior rio da Europa — faziam parte da frota do Mar Negro da Alemanha nazista. Eles foram afundados pela marinha alemã em retirada em 1944 para evitar que caíssem nas mãos do exército soviético que avançava.

Os destroços contêm quase 10.000 peças de artilharia não detonada, de acordo com as autoridades sérvias, que estimam o custo da remoção dos navios e munições em quase US$ 30 milhões.

"A flotilha alemã deixou para trás um grande desastre ecológico que nos ameaça, povo de Prahovo", disse Velimir Trajilovic, 74, um aposentado local que escreveu um livro sobre os navios alemães, à Reuters.

As chamadas pedras da fome também ressurgiram quando os rios ficaram baixos. As pedras carregam gravuras de anos passados, quando os níveis de água caíram, e as populações locais sabiam que a colheita seria ruim e o ano seguinte, difícil.

Um exemplo amplamente divulgado apareceu novamente no rio Elba, perto da cidade de Decín, na República Tcheca (emergiu temporariamente em 2018). A inscrição, que parece ter sido gravada em 1616, diz: "Se você me vir, chore".

Mais três meses de seca

Partes da União Europeia podem enfrentar mais três meses de condições mais quentes e secas, alerta o programa de observação da Terra do bloco em um relatório.

"Condições mais quentes e secas do que o normal provavelmente ocorrerão na região euro-mediterrânica ocidental nos próximos meses até novembro de 2022", notadamente na Espanha e em Portugal, disse o programa Copernicus da UE em um relatório para o mês de agosto.

Quase metade dos 27 países da UE está sob alerta de seca, com as condições piorando na Bélgica, França, Alemanha, Hungria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Holanda, Portugal, Romênia e Espanha. O relatório também observou o aumento dos riscos de seca fora da UE, no Reino Unido, Sérvia, Ucrânia e Moldávia.

A escassez de água e o estresse térmico estão reduzindo os rendimentos das plantações europeias, com milho, soja e girassol sendo os mais atingidos. As chuvas recentes em agosto ajudaram algumas regiões, mas as colheitas em outras áreas foram atingidas por tempestades.

O relatório vem em meio ao que especialistas dizem que pode ser a pior seca do continente em 500 anos. Poucas chuvas foram registradas por quase dois meses, mas a Europa não está sozinha. As condições de seca também são relatadas na África Oriental, no oeste dos Estados Unidos e no norte do México.

O clima está agravando as condições à medida que as temperaturas mais quentes aceleram a evaporação, as plantas com sede absorvem mais umidade e a queda de neve reduzida no inverno limita o suprimento de água fresca disponível para irrigação no verão.

Seca muda paisagem na China

A escassez também já altera a paisagem em Chongqing, uma megacidade da China que abriga um dos maiores rios do mundo o Yang-tsé, cujo recuo já afeta o fornecimento de energia em importantes fábricas chinesas.

Os fundos dos rios parcialmente expostos pela seca criam uma visão rara de uma praia urbana que se torna uma interesse opção para escapar do calor fulminante. As fazendas queimadas pelo Sol deixam os talos de arroz amarelados, as famosas plantas de pimenta quase desprovidas de frutas, os reservatórios reduzidos a uma poça de água e terra rachada.

Os meteorologistas chineses a consideram esta a onda de calor mais forte do país desde que os registros começaram em 1961, com base em sua intensidade, área geográfica e duração. Agora em seu terceiro mês, superou o recorde anterior de 61 dias em 2013. As temperaturas estão chegando a 40 ºC em cidades e vilarejos no sul da China.

Na vila de Longquan, nas colinas ao sul da cidade de Chongqing, um agricultor caminha sobre lama rachada no fundo de um reservatório comunitário que já esteve cheio de água. O muro de contenção do reservatório teve um vazamento há alguns meses e, com o calor e a seca, resta apenas uma poça de alguns metros de largura.

Ao norte, Li Siming caminha por seus campos amarelados de plantas de arroz na cidade de Mu'er. Com o fornecimento limitado a água comunal que normalmente iria para suas plantações de arroz foi desviada para pomares de frutas.

"Nós rezamos para Deus, mas Deus não fez chover. Pedimos ao governo local, mas o governo não nos deu água", disse Li.

Ele está usando água da torneira para irrigar seus campos. Ele estima que sua colheita de 3 hectares de terra será de 400 kg de arroz - menos de um terço do seu habitual. Os agricultores adiantaram a colheita em meio mês para que não sequem, mas antes que os grãos estejam totalmente desenvolvidos.

(Estãdão Conteúdo com agências internacionais)

LEIA TAMBÉM:

Seca revela pegadas de dinossauros em parque americano

Maior lago da China sofre com a seca e afeta plantações de arroz

Acompanhe tudo sobre:Aquecimento globalChinaClimaEuropaMudanças climáticasSecas

Mais de Mundo

Trump pede apoio de evangélicos nas eleições de novembro

Bombardeio aéreo russo atinge prédio residencial e deixa três mortos e 37 feridos, afirma Ucrânia

Egito quer penalizar empresas turísticas pelas mortes de peregrinos em Meca

Governo colombiano inicia diálogo com dissidência das Farc

Mais na Exame