Mundo

Rússia ataca Ucrânia com mais de 40 drones e 40 mísseis, denuncia presidente Ucraniano

Zelensky

Guerra: Rússia ataca Ucrânia com drones (AFP/AFP)

Guerra: Rússia ataca Ucrânia com drones (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 11 de abril de 2024 às 06h11.

A Rússia disparou mais de 40 mísseis e 40 drones contra a Ucrânia na madrugada de quinta-feira, 11, visando "infraestruturas essenciais", denunciou o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky.

"Durante a noite, a Rússia disparou mais de 40 mísseis e 40 drones contra a Ucrânia", escreveu o governante na rede social X. "Alguns mísseis e drones Shahed foram derrubados com sucesso. Infelizmente, apenas uma parte deles", acrescentou Zelensky, antes de destacar que os russos "atacaram novamente infraestruturas essenciais".

Segundo o presidente, que visita a Lituânia nesta quinta, os russos atacaram instalações em Kiev, em Zaporizhzhia e Odessa, no sul, em Lviv (oeste) e perto da fronteira com a Polônia.

A Rússia utilizou mísseis de cruzeiro e drones Shahed de fabricação iraniana em seu ataque em larga escala, afirma o boletim diário do Estado-Maior ucraniano publicado no Facebook. A Ucrânia conseguiu destruir 37 dos 40 drones lançados pelas forças russas, segundo o Exército.

"O inimigo atacou novamente a nossa infraestrutura de energia", disse o ministro ucraniano da Energia, Guerman Galushchenko, no Telegram.

Os ataques tiveram como alvos "instalações de produção e sistemas de transmissão" nas regiões de Kiev, Kharkiv (nordeste), Zaporizhzhia e Lviv, disse o ministro.

Duas usinas termelétricas da operadora ucraniana DTEK também foram atacadas, informou a empresa no Telegram, sem revelar a localização. O ministro do Interior, Igor Klimenko, destacou que centenas de operários trabalhavam em todo o país após "grandes bombardeios", que duraram várias horas.

Segundo ele, Moscou disparou mais de 10 mísseis contra Kharkiv, o que deixou parte da cidade sem energia elétrica. "Felizmente, de acordo com os dados operacionais, o ataque de hoje não provocou mortos nem feridos", disse.

Pedido aos aliados ucranianos

Na Lituânia, Zelensky voltou a pedir aos aliados de Kiev que ajudem a reforçar a defesa antiaérea ucraniana e a "consolidar o apoio internacional com o objetivo de derrotar o terror russo".

O presidente ucraniano foi recebido na capital Vilnius pelo seu homólogo lituano Gitanas Nauseda, onde participará em uma reunião da iniciativa dos Três Mares, que reúne 13 Estados-membros da UE localizados entre o Báltico, o Adriático e o Mar Negro.

Zelensky afirmou que espera a assinatura de um novo acordo bilateral de segurança durante a visita à Lituânia.

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:RússiaUcrâniaGuerrasDrones

Mais de Mundo

Guerra nas estrelas? EUA ampliam investimentos para conter ameaças em órbita

Reguladores e setor bancário dos EUA devem focar em riscos essenciais, diz diretora do Fed

Bandeira invertida coloca Suprema Corte dos EUA em apuros

Primeiro-ministro eslovaco passa por nova cirurgia e segue em estado grave

Mais na Exame