Mundo

Reunião entre Rússia e Turquia para corredor de grãos não gera grandes avanços

Um possível acordo envolveria navios de guerra turcos removendo minas de portos ucranianos

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov (AFP/AFP)

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov (AFP/AFP)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 9 de junho de 2022 às 09h17.

Última atualização em 9 de junho de 2022 às 09h26.

Uma reunião entre autoridades russas e turcas para a criação de um corredor de exportação de grãos no Mar Negro terminou nesta quarta-feira (8) sem grandes avanços. As exportações da Ucrânia estão interrompidas desde fevereiro, quando a Rússia invadiu o país. Isso resultou em alta dos preços de alimentos em todo o mundo e aumentou a pressão sobre as nações mais pobres, principalmente no Oriente Médio e na África, que dependem do trigo importado.

A Ucrânia, que não participou da reunião, não deu permissão para um possível acordo entre Rússia e Turquia, e disse que precisa de garantias de que Moscou não usará esse corredor para novos ataques. Autoridades dos Estados Unidos também estão céticas em relação às negociações entre Rússia e Turquia.

VEJA TAMBÉM: OCDE corta previsão do PIB global e dobra expectativa de inflação em 2022, com guerra na Ucrânia

Um possível acordo envolveria navios de guerra turcos removendo minas de portos ucranianos e a criação de uma passagem segura para navios que transportam trigo e outros produtos da Ucrânia. "Vemos isso como um plano razoável e viável", disse na quarta o ministro de Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, falando ao lado de seu colega russo, Sergei Lavrov, em Ancara.

O Ministério de Relações Exteriores da Ucrânia expressou objeções à proposta do Mar Negro em comunicado na terça-feira, antes das negociações na Turquia. "Não podemos descartar os planos da Rússia de usar o corredor para atacar Odessa e o sul da Ucrânia. É por isso que são necessárias garantias de segurança efetivas para restaurar o transporte marítimo", disse o ministério.

Uma parcela significativa da oferta mundial de alimentos está em jogo. A invasão russa deixou cerca de 20 milhões de toneladas de grãos e sementes retidas em território ucraniano. Esse volume foi confiscado pela Rússia ou isolado dos portos do Mar Negro por onde as commodities são normalmente exportadas. O bombardeio de estradas, pontes e outras estruturas pela Rússia, juntamente com o bloqueio de portos da Ucrânia, aumentou os obstáculos para a retirada de grãos do país, dizem autoridades e agricultores ucranianos.

Após a reunião, Lavrov usou sua entrevista conjunta com Cavusoglu para culpar a Ucrânia pelos atrasos na liberação dos grãos. Autoridades ucranianas acusaram a Rússia de transformar alimentos em armas e alertaram que a estratégia atual do país é transferir para a Ucrânia a culpa pela crise de grãos.

Cavusoglu reiterou que a Turquia está pronta para sediar uma reunião envolvendo Turquia, Rússia, Ucrânia e Organização das Nações Unidas (ONU) para discutir a questão dos grãos. Lavrov minimizou a reunião proposta, chamando-a de simbólica.

A rota do Mar Negro é uma das várias opções que os EUA e outras nações ocidentais estão considerando para exportar o trigo retido na Ucrânia. Um plano alternativo envolveria a exportação de grãos por via férrea através de Belarus. Essa opção também encontrou resistência de líderes ucranianos que se opõem ao levantamento das sanções a Belarus, que é aliada da Rússia no ataque à Ucrânia.

Em Washington, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse aos legisladores que a guerra na Ucrânia está elevando os preços globais da energia e afetando a oferta de alimentos. Ela observou que os preços de trigo, milho e óleo de cozinha aumentaram significativamente.

A Turquia, um membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que tem boas relações com a Rússia e a Ucrânia, facilitou as negociações de paz entre os dois países. O governo turco provavelmente usará qualquer acordo envolvendo os grãos ucranianos para melhorar sua posição internacional. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, aproveitou o papel central de seu país - apoiando a Ucrânia militarmente, mantendo uma linha aberta com a Rússia - para promover os interesses de seu governo.

O ceticismo da Ucrânia pode deixar qualquer acordo entre Turquia e Rússia no limbo, já que a cooperação ucraniana é necessária para a remoção das minas dos portos e os arranjos para a exportação de grãos de seu território. "Enfatizamos que as decisões devem ser tomadas com a participação de todas as partes envolvidas. Rejeitaremos quaisquer acordos que não levem em conta os interesses da Ucrânia", disse o Ministério de Relações Exteriores da Ucrânia na terça-feira. Fonte: Dow Jones Newswires.

fonte: Estadão Conteudo

VEJA TAMBÉM: Biden pede que América Latina resolva divergências na democracia

Acompanhe tudo sobre:ExportaçõesJanet YellenONUOriente MédioOtanRússiaTayyip ErdoganTurquiaUcrânia

Mais de Mundo

Hezbollah anuncia lançamento de foguetes contra Israel

Governo de Javier Milei revisará indenizações às vítimas da ditadura na Argentina

Hezbollah lança ataque mais profundo a Israel em resposta à morte de um de seus membros

Mais na Exame