Acompanhe:

Biden pede que América Latina resolva divergências na democracia

Esta cúpula é marcada pela ausência de alguns chefes de Estado, particularmente os do México, Guatemala, Bolívia e Honduras

Modo escuro

Continua após a publicidade
Biden: Durante o discurso, ele enfatizou o anúncio de uma parceria das Américas para a prosperidade econômica com o objetivo de promover um crescimento mais inclusivo na região (AFP/AFP)

Biden: Durante o discurso, ele enfatizou o anúncio de uma parceria das Américas para a prosperidade econômica com o objetivo de promover um crescimento mais inclusivo na região (AFP/AFP)

A
AFP

Publicado em 9 de junho de 2022 às, 08h24.

Última atualização em 9 de junho de 2022 às, 08h28.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou na quarta-feira que as divergências podem ser solucionadas na democracia, "com respeito mútuo e diálogo", no discurso de abertura das Cúpula das Américas, evento boicotado por vários governantes da região por desacordos com Washington.

A democracia "é o ingrediente essencial para o futuro", declarou o presidente em Los Angeles, cidade que abriga a maior comunidade hispânica dos Estados Unidos.

"Nossa região é grande e diversificada. Nem sempre concordamos em tudo, mas em uma democracia abordamos nossas divergências com respeito mútuo e diálogo", disse.

LEIA TAMBÉM: O que esperar do encontro entre Bolsonaro e Biden na Cúpula das Américas

Esta cúpula é marcada pela ausência de alguns chefes de Estado, particularmente os do México, Guatemala, Bolívia e Honduras.

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, critica a Casa Branca por ter excluído os governos de Cuba, Nicarágua e Venezuela, que Washington não convidou por considerar que não cumprem os padrões democráticos.

AMLO enviou o chanceler Marcelo Ebrard, que declarou a seus colegas no evento que a exclusão foi um "erro estratégico" e que o México deseja "refundar a ordem interamericana". "É evidente que a OEA e sua forma de atuar estão esgotadas", afirmou sobre a Organização dos Estados Americanos.

"A democracia é uma marca da nossa região", como consta na Carta Democrática Interamericana, disse o presidente durante abertura da cúpula, marcada por música e pela participação de jovens e crianças.
Biden acompanhou a cerimônia ao lado da primeira-dama Jill.

O presidente dos Estados Unidos Biden exortou os participantes, que incluem representantes da sociedade civil e do mundo empresarial, a se unirem "em torno de ideias ousadas, ações ambiciosas e demonstrar ao nosso povo que o incrível poder das democracias oferece benefícios concretos e melhora a vida de todos".

"Não é mais apenas uma questão de o que os Estados Unidos farão pelas Américas? A questão é o que podemos alcançar trabalhando juntos como verdadeiros parceiros com diversas habilidades, mas com respeito mútuo e igual, reconhecendo nossa soberania individual e nossa responsabilidades", continuou.

Durante o discurso, ele enfatizou o anúncio de uma parceria das Américas para a prosperidade econômica com o objetivo de promover um crescimento mais inclusivo na região, algo essencial, em particular depois que a pandemia de covid provocou muitos danos na América Latina.

Ele também mencionou a Declaração sobre migração que planeja adotar na sexta-feira, com uma abordagem "inovadora", para gerenciar o problema e compartilhar responsabilidades.

"Representa um compromisso mútuo de investir em soluções regionais que melhorem a estabilidade" e "aumentem as oportunidades de migração segura e ordenada", bem como reprimir o tráfico de pessoas.
O presidente democrata tenta resolver a crise migratória que pode custar o controle do Congresso a seu partido nas eleições de meio de mandato de novembro.

Há várias semanas, quase 7.500 imigrantes sem documentos tentam atravessar a fronteira entre os Estados Unidos e o México, em sua maioria procedentes de países da América Central, mas também do Haiti, Venezuela e Cuba. Eles tentam fugir da pobreza e da violência.

"A migração segura e ordenada é boa para todas as nossas economias, incluindo a dos Estados Unidos. Pode ser um catalisador para o crescimento sustentável, enquanto a migração irregular não é aceitável", disse Biden, no momento em que uma caravana de milhares de migrantes avança para o norte do México, rumo aos Estados Unidos.

O fluxo migratório também é consequência da pandemia, que levou mais 22 milhões de pessoas à pobreza em apenas um ano, e da "guerra brutal e não provocada" do presidente russo Vladimir Putin contra a Ucrânia, que dificulta as vidas das famílias com a alta dos preços dos alimentos.

Desde segunda-feira, o governo americano fez vários anúncios para tentar ganhar a confiança dos países latino-americanos.

Na quarta-feira anunciou a criação de um novo Corpo de Saúde das Américas para melhorar a formação de 500.000 profissionais da saúde na região, aproveitando as lições da pandemia de covid-19.

Também propõe uma "reforma ambiciosa" do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), além de tentar obter uma participação de capital no BID para investir no ramo de empréstimos do setor privado e "direcioná-los para onde tenham o maior impacto

Na terça-feira, Washington anunciou investimentos privados de 1,9 bilhão de dólares para estimular a criação de empregos e conter a migração, assim como o lançamento de uma nova "Rede de Comunicação Digital" para a América Latina.

Reunião entre Biden e Bolsonaro

Biden aproveita a reunião de cúpula para manter encontros bilaterais, incluindo um encontro previsto com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional de Biden, disse a repórteres que a questão eleitoral está na agenda e que Biden falará de "eleições abertas, livres, justas, transparentes e democráticas" no Brasil.
Bolsonaro, que foi aliado do ex-presidente americano Donald Trump, questionou o resultado da eleição que deu a Biden a vitória em 2020, prejudicando as relações entre Washington e Brasília.

LEIA TAMBÉM: Biden recebe pedido para se posicionar por eleições livres no Brasil

Últimas Notícias

Ver mais
EUA podem enviar ajuda a Gaza e abrir corredor marítimo após morte de palestinos
Mundo

EUA podem enviar ajuda a Gaza e abrir corredor marítimo após morte de palestinos

Há 15 horas

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem
Mundo

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem

Há um dia

Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço
Mundo

Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço

Há um dia

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown
Mundo

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais