Acompanhe:

Putin descarta novos bombardeios "em massa" contra a Ucrânia, por enquanto

Putin garantiu, em entrevista coletiva no Cazaquistão, que o objetivo da ofensiva militar lançada pela Rússia em 24 de fevereiro não é "destruir a Ucrânia

Modo escuro

Continua após a publicidade
"Não há mais nada planejado. Nenhuma proposta foi recebida do Ministério da Defesa e não vejo necessidade de fazê-lo no futuro próximo", disse Putin (AFP/AFP Photo)

"Não há mais nada planejado. Nenhuma proposta foi recebida do Ministério da Defesa e não vejo necessidade de fazê-lo no futuro próximo", disse Putin (AFP/AFP Photo)

A
AFP

Publicado em 14 de outubro de 2022 às, 14h30.

Última atualização em 14 de outubro de 2022 às, 14h34.

O presidente russo, Vladimir Putin, descartou nesta sexta-feira, 14, o lançamento "imediato" de novos bombardeios "em massa" na Ucrânia e a expansão da mobilização de tropas anunciada há três semanas após os reveses de suas forças.

Putin garantiu, em entrevista coletiva no Cazaquistão, que o objetivo da ofensiva militar lançada pela Rússia em 24 de fevereiro não é "destruir a Ucrânia".

"No imediato, não são necessários novos ataques massivos. Atualmente existem outros objetivos. Por enquanto. Veremos depois", declarou ao final de uma cúpula regional.

"Não é legal o que está acontecendo agora, mas [se a Rússia não tivesse iniciado sua ofensiva na Ucrânia], estaríamos na mesma situação um pouco mais tarde, só que as condições teriam sido piores para nós. Então, estamos fazendo tudo certo", assegurou.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

A Rússia lançou bombardeios maciços em várias cidades ucranianas na segunda-feira, danificando infraestrutura elétrica e áreas residenciais, em retaliação à explosão de dois dias antes que danificou a ponte da Crimeia, ataque pelo qual Moscou culpa os serviços secretos ucranianos.

O presidente russo também indicou que não prevê uma nova mobilização de reservistas. Explicou que 222 mil soldados, dos 300 mil esperados, já foram recrutados, e que 16 mil já estão em "unidades envolvidas no combate".

"Não há mais nada planejado. Nenhuma proposta foi recebida do Ministério da Defesa e não vejo necessidade de fazê-lo no futuro próximo", disse Putin.

O presidente russo acrescentou que planeja concluir o recrutamento anunciado "em 15 dias".

“A linha de frente tem 1,1 mil quilômetros de extensão, então é quase impossível mantê-la exclusivamente com tropas formadas por militares contratados”, argumentou o presidente russo.

Após o anúncio, há três semanas, da mobilização "parcial" das tropas, dezenas de milhares de russos fugiram do país.

Putin disse estar "aberto" a negociações com a Ucrânia e à mediação de países como Turquia e Emirados Árabes Unidos, e criticou as autoridades ucranianas por se recusarem a conversar com ele.

LEIA TAMBÉM:

Putin propõe a Erdogan que Turquia seja novo centro de gás na Europa

Chefe da diplomacia da UE alerta que forças russas serão 'aniquiladas' se usarem armas nucleares

Últimas Notícias

Ver mais
Nova Zelândia vai revogar lei antitabagismo, pioneira no mundo
Mundo

Nova Zelândia vai revogar lei antitabagismo, pioneira no mundo

Há 3 horas

Biden espera cessar-fogo de 40 dias entre Israel e Hamas até a próxima segunda-feira
Mundo

Biden espera cessar-fogo de 40 dias entre Israel e Hamas até a próxima segunda-feira

Há 3 horas

Rússia proibirá exportações de gasolina a partir de março
Mundo

Rússia proibirá exportações de gasolina a partir de março

Há 3 horas

Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano
Mundo

Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais