Chefe da diplomacia da UE alerta que forças russas serão 'aniquiladas' se usarem armas nucleares

"Qualquer ataque nuclear contra a Ucrânia vai gerar uma resposta; não será uma resposta nuclear, mas será tão forte do ponto de vista militar que o exército russo ficará aniquilado", disse Borrell

Para Borrell, o presidente Putin "garante que não está mentindo. E não pode se dar ao luxo de blefar agora (AFP/AFP)

Para Borrell, o presidente Putin "garante que não está mentindo. E não pode se dar ao luxo de blefar agora (AFP/AFP)

A

AFP

Publicado em 13 de outubro de 2022 às 16h15.

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, alertou nesta quinta-feira, 13, a Rússia que suas tropas seriam "aniquiladas" pela resposta ocidental caso o presidente russo, Vladimir Putin, cumpra com sua ameaça de usar armas nucleares na Ucrânia.

"Qualquer ataque nuclear contra a Ucrânia vai gerar uma resposta; não será uma resposta nuclear, mas será tão forte do ponto de vista militar que o exército russo ficará aniquilado", disse o líder espanhol.

Para Borrell, o presidente Putin "garante que não está mentindo. E não pode se dar ao luxo de blefar agora".

É preciso deixar claro, acrescentou, que "aqueles que apoiam a Ucrânia — a UE e seus Estados-membros, os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) — também não estão blefando".

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Depois que o governo russo decidiu anexar quatro territórios da Ucrânia, Putin alertou que a Rússia terá o direito de usar todos os recursos à sua disposição para se defender, em uma clara referência às armas atômicas.

Nesta quinta-feira, o secretário-geral da Otan, Jens Soltenberg, alertou que tal cenário, mesmo que com o uso de armas atômicas pequenas, teria "graves consequências".

"A Rússia sabe disso. Não vou entrar em detalhes sobre a nossa resposta agora, mas claramente isso mudaria de maneira fundamental a natureza do conflito", disse Stoltenberg na sede da Otan.

A aliança militar, disse o líder norueguês, "não faz parte do conflito" embora apoie a Ucrânia.

Stoltenberg reiterou que a Otan não percebeu nenhum "sinal de que a Rússia mudou sua postura nuclear, mas a vigiamos 24 horas por dia, sete dias por semana".

O chefe da Otan acrescentou que "temos informações muito boas da inteligência" e acrescentou que "vigiamos as instalações nucleares da Rússia durante décadas".

Formalmente, a Otan ainda não ameaçou usar seu arsenal nuclear para responder à Rússia, já que a Ucrânia não é membro da aliança militar e, portanto, não está coberta por sua cláusula de autodefesa.

LEIA TAMBÉM:

Líderes europeus devem entrar em conflito sobre preços de energia

Comissão Europeia anuncia plano de € 11 bi para Ucrânia e recuperação da Europa

Mais de Mundo

Borrell anuncia novas sanções da UE ao programa de drones e mísseis do Irã

Trump orquestrou 'esquema criminoso' para influenciar eleições em 2016, diz promotoria em julgamento

UE garante continuidade da ajuda à Ucrânia, mas não se compromete

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Mais na Exame