Presidente da Guatemala busca converter apoio político da UE em cooperação concreta

Em janeiro, a forte pressão internacional exercida pelo bloco ajudou a evitar uma grave crise institucional no país

O presidente da Guatemala, Bernardo Arévalo, em entrevista à AFP em Bruxelas (Aldo Gamboa/Getty Images)
O presidente da Guatemala, Bernardo Arévalo, em entrevista à AFP em Bruxelas (Aldo Gamboa/Getty Images)
AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 20 de fevereiro de 2024 às 13h53.

O presidente da Guatemala, Bernardo Arévalo, busca transformar o apoio político recebido da União Europeia em medidas concretas de cooperação para o desenvolvimento, afirmou nesta terça-feira, 20,  em entrevista à AFP.

Em janeiro deste ano, a forte pressão internacional exercida pela UE ajudou a evitar uma grave crise institucional na Guatemala e permitiu que Arévalo fosse empossado após vencer as eleições de agosto de 2023.

"A UE tem desempenhado um papel muito importante em termos de apoio político. Agora buscamos traduzir o apoio político em medidas concretas que apoiem os esforços para o desenvolvimento econômico e social de nosso país", afirmou.

"Temos interesse em explorar projetos de colaboração, atrair investimentos em grandes projetos de desenvolvimento, trabalhar em conjunto entre governos e setor privado", acrescentou.

Quando viajou para a posse de Arévalo no mês passado, o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, anunciou investimentos de 50 milhões de euros (R$ 266 milhões, na cotação atual) em projetos comunitários na região de Petén.

Nesta terça-feira, Borrell afirmou que uma missão de sua equipe retornará ao país em março para discutir novas iniciativas.

No mesmo dia, Guatemala e UE assinaram em Bruxelas um Memorando de Entendimento que sistematiza o diálogo entre as partes e define o marco para o desenvolvimento de uma agenda de cooperação concreta.

"É o próximo passo, e acabamos de iniciá-lo. O memorando cria um mecanismo para consultas bilaterais e, neste marco, surge a discussão de oportunidades concretas de desenvolvimento", disse o presidente.

Após a posse de Arévalo, a UE adotou sanções contra cinco altos funcionários guatemaltecos, incluindo a procuradora-geral Consuelo Porras, por "minar a democracia e o Estado de direito". Outros três funcionários de alto escalão do Ministério Público, bem como um juiz, foram sancionados pelo bloco europeu.

Diálogo com Zelensky

Antes de visitar Bruxelas, o presidente da Guatemala esteve em Paris, onde se reuniu com o seu homólogo francês, Emmanuel Macron, e em Munique, na Alemanha, onde participou na Conferência de Segurança e teve uma reunião com o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelensky.

Neste encontro, o mandatário ucraniano reiterou o convite para que participasse de um fórum mundial pela paz, que visa "propor soluções negociadas para a crise na Ucrânia", disse Arévalo.

"Acreditamos que o mundo precisa retomar o caminho da busca por soluções negociadas (...) parece-nos que é um caso em que a Guatemala pode contribuir para os esforços internacionais", acrescentou.

A viagem do presidente guatemalteco inclui passagens pela Suíça e terminará na Espanha, país onde atuou como embaixador e onde terá encontros com o presidente do Governo, Pedro Sánchez, e o rei Felipe VI.

Mais de Mundo

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Novas regras entram em vigor para obtenção da cidadania portuguesa

Mais de 110 pessoas são sequestradas por supostos jihadistas no Mali

Julgamento de Donald Trump entra em fase decisiva

Mais na Exame