Mundo

Partido de Evo Morales definirá candidato à presidência em janeiro

Evo Morales, que está exilado na Argentina e diz que sofreu um golpe, não irá concorrer nas eleições do país

Jeanine Añez: quando o tribunal eleitoral boliviano anunciar a convocação às urnas, eleições poderão ser realizadas em até 120 dias. Enquanto isso, Jeanine Áñez continuará como presidente interina   (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

Jeanine Añez: quando o tribunal eleitoral boliviano anunciar a convocação às urnas, eleições poderão ser realizadas em até 120 dias. Enquanto isso, Jeanine Áñez continuará como presidente interina   (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

E

EFE

Publicado em 29 de dezembro de 2019 às 14h36.

Última atualização em 29 de dezembro de 2019 às 14h37.

Buenos Aires — O ex-presidente da Bolívia Evo Morales e dirigentes de seu partido político, Movimento ao Socialismo (MAS), iniciaram neste domingo uma reunião em Buenos Aires na qual decidiram que escolherão em janeiro os nomes dos candidatos a presidente e vice-presidente que representarão o grupo nas próximas eleições bolivianas.

"Iniciamos uma reunião com dirigentes nacionais, departamentais e regionais do MAS-IPSP, acompanhados por alguns prefeitos e assembleístas para coordenar e convocar a Expansão Nacional em janeiro de 2020, onde se definirão os candidatos a presidente e vice-presidente de nosso partido", anunciou o ex-mandatário.

Desde esta manhã ocorre uma reunião entre Morales, que está na Argentina desde 12 de dezembro, onde tramita o status de refugiado, e os líderes do MAS dos nove departamentos da Bolívia, segundo confirmou o próprio ex-presidente nas redes sociais.

Morales renunciou à presidência no dia 10 de novembro, ao ser pressionado pelas Forças Armadas e por um relatório da Organização dos Estados Americanos (OEA) que apontou supostas irregularidades nas últimas eleições. O ex-mandatário, que afirma ter sofrido um golpe de Estado, não será candidato no próximo pleito.

A reunião realizada neste domingo em Buenos Aires deu início ao processo de seleção dos candidatos do MAS para presidente e vice-presidente.

Quando o tribunal eleitoral boliviano anunciar a convocação às urnas, as eleições poderão ser realizadas em até 120 dias. Enquanto isso, Jeanine Áñez continuará como presidente interina da Bolívia.

Acompanhe tudo sobre:América do SulBolíviaEvo MoralesOEA

Mais de Mundo

Helicóptero com o presidente do Irã faz 'pouso forçado', diz TV estatal

'Todo mundo com Edmundo!': oposição esquenta campanha presidencial na Venezuela

Biden e Trump trocam ataques em atos de campanha

Muro 'anti-Haiti' vira bandeira eleitoral na República Dominicana

Mais na Exame