Partido conservador acelera sucessão de Johnson; veja nova data

O novo primeiro-ministro seria anunciado em outubro, mas o partido quer tenta encurtar o governo do premiê
Boris Johnson: primeiro-ministro britânico renunciou e nova escolha será anunciada em breve (Toby Melville/Getty Images)
Boris Johnson: primeiro-ministro britânico renunciou e nova escolha será anunciada em breve (Toby Melville/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 11/07/2022 às 19:58.

Última atualização em 12/07/2022 às 06:57.

O Partido Conservador britânico anunciou nesta segunda-feira, 11, que o novo primeiro-ministro será anunciado em 5 de setembro e não mais em outubro, como previsto anteriormente. Com o objetivo de acelerar a escolha do substituto de Boris Johnson, o partido elaborou e anunciou novas regras. A legenda tenta encurtar o governo do premiê, que renunciou na quinta-feira após uma sequência de escândalos, mas continua no comando do país.

LEIA TAMBÉM: Quem será o novo primeiro-ministro do Reino Unido? Confira os nomes cotados

O novo líder do partido, e consequente premiê, será escolhido em uma eleição em duas etapas, na qual 358 parlamentares conservadores reduzem a disputa a dois candidatos por meio de votações preliminares. A dupla finalista será submetida a uma outra votação, na qual membros do partido em todo o país votam. Nas regras do sistema parlamentar britânico, o novo líder conservador se torna automaticamente primeiro-ministro sem a necessidade de uma eleição geral.

O Comitê de 1922 do partido, que organiza o processo, anunciou que as indicações serão oficialmente abertas e encerradas nesta terça-feira, 12. O primeiro turno de votação acontecerá na quarta-feira, e o segundo, na quinta-feira, com os candidatos que não conseguirem pelo menos 30 votos eliminados em cada rodada. A intenção é ter dois finalistas antes do recesso parlamentar de verão (Hemisfério Norte), que começa em 21 de julho.

Na fase de indicação, os candidatos precisarão receber o apoio de pelo menos 20 deputados para chegar à primeira votação, um número que pode eliminar alguns candidatos antes mesmo de começar o processo eleitoral.

O novo líder deve ser anunciado quando a Câmara dos Comuns retornar em 5 de setembro.

LEIA TAMBÉM: Boris Johnson não apoiará nenhum dos 11 candidatos à sua sucessão

Quem são os candidatos e o que apoiam?

A medida restringe a lista, que chegou nesta segunda-feira a 11 nomes com o anúncio do pouco conhecido parlamentar Rehman Chishti. Outros candidatos incluem a secretária das Relações Exteriores Liz Truss, o chefe do Tesouro Nadhim Zahawi, os ex-secretários de Saúde Sajid Javid e Jeremy Hunt e os legisladores de bancada Tom Tugendhat e Kemi Badenoch.

Muitos conservadores estão receosos de deixar Johnson no cargo por muito tempo, preocupados com o fato de ter um líder sem poder em um momento em que o Reino Unido precisa lidar com a guerra na Ucrânia, aumentos de preços de alimentos e energia levando a inflação a níveis não vistos em décadas e crescente agitação trabalhista. Alguns também temem que Johnson - derrubado por escândalos sobre dinheiro, quebra de regras e alegações de má conduta sexual contra seus aliados - possa causar danos mesmo como primeiro-ministro interino.

Na disputa aberta pela liderança, os candidatos estão se esforçam para se destacar do nome considerado favorito, o ex-chefe do Tesouro Rishi Sunak, que já tem o apoio de mais de três dúzias de legisladores.

Muitos repudiaram os aumentos de impostos que Sunak introduziu para fortalecer as finanças do Reino Unido atingidas pela pandemia de coronavírus e pelo Brexit - um aumento de 1,25% no imposto de renda para milhões de trabalhadores e um aumento no imposto corporativo no próximo ano de 19% para 25%.

A maioria dos candidatos diz que vai eliminar uma das regras ou ambas. "Quero cortar todos os impostos", disse Hunt, que se comprometeu a reduzir o imposto corporativo para 15%. Truss disse que começaria a cortar impostos "desde o primeiro dia", e Tugendhat disse que "reduziria impostos em todos os aspectos da sociedade".

Todos os candidatos estão tentando se distanciar da desorganização e escândalos que afundaram Johnson - embora a maioria deles tenha servido em seu governo, e alguns ainda o fazem.

LEIA TAMBÉM: Reino Unido pode ter 'primeira-dama' brasileira com a saída de Boris Johnson

Eles procuram apelar para um eleitorado de cerca de 180 mil membros conservadores que, em muitos aspectos, não representa o país como um todo: é mais velho, mais branco e mais rico, e muito mais fortemente a favor do Brexit, a saída do país do a União Europeia.

Nenhum até agora renunciou às políticas mais controversas de Johnson: legislação para rasgar partes de seu acordo do Brexit com a UE e um plano para enviar alguns requerentes de asilo que chegam ao Reino Unido para Ruanda que está sendo contestado nos tribunais.

A batalha partidária já se tornou turbulenta, com rivais criticando o histórico de Sunak como ministro das Finanças, e Zahawi, o atual chefe do Tesouro, rechaçando alegações de que ele está sendo investigado por seus assuntos fiscais. Zahawi disse que estava sendo "manchado" e disse que desconhecia qualquer investigação do fisco ou de outros órgãos.

Tony Travers, professor de governo da London School of Economics disse que "seria difícil exagerar o quão desagradável" a escolha já é, com as equipes dos candidatos se informando e vazando informações sobre os outros para a mídia. "É realmente uma guerra de todos contra todos, e vai piorar", disse ele.

Os apostadores dizem que Sunak provavelmente será um dos dois finalistas, mas a corrida é altamente imprevisível. Truss e a ministra do Comércio, Penny Mordaunt, têm forte apoio, enquanto Tugendhat, um ex-soldado da centro-esquerda do partido, e a estrela em ascensão da direita Badenoch garantiram o apoio de grandes nomes e podem surpreender rivais mais experientes.

Johnson se apegou ao poder por meses, apesar das acusações de que ele era muito próximo dos doadores do partido, que protegeu os apoiadores de alegações de bullying e corrupção e que enganou o Parlamento sobre cargos do governo, além de quebrar as regras do lockdown imposto para conter o coronavírus.

Ele foi multado pela polícia por comparecer a uma das festas, mas sobreviveu a uma moção de desconfiança no mês passado no Parlamento, apesar de 41% dos legisladores conservadores terem tentado derrubá-lo. Mas Johnson foi derrubado por um escândalo a mais - este envolvendo a nomeação de um político que havia sido acusado de má-conduta sexual.

Johnson, ainda no cargo, disse que não planeja endossar um candidato. "Eu não gostaria de prejudicar as chances de ninguém oferecendo meu apoio", disse ele. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

(Estadão Conteúdo)