Acompanhe:

Mais de 10,4 milhões de eleitores participaram do referendo realizado no domingo por Caracas sobre o território de Essequibo, que a Venezuela disputa com a Guiana, anunciou, nesta segunda-feira, 4, a autoridade eleitoral, depois de uma confusão criada na véspera sobre os números da participação. 

O presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Elvis Amoroso, ao lado do presidente Nicolás Maduro e de outras altas autoridades venezuelanas, retificou o número depois de uma confusão sobre o dado de participação no processo, com o qual o governo busca reivindicar uma reclamação centenária sobre esta área de 160.000 km2, rica em petróleo e recursos naturais.

"Informamos ao povo da Venezuela que tivemos uma participação muito significativa de 10.431.907 venezuelanos", afirmou Amoroso, comemorando uma adesão "sem precedentes" à consulta.

Na noite de domingo, a autoridade eleitoral havia informado que a participação tinha sido de 10.554.320 votantes, número superior ao atual.

A divergência sobre este dado gerou suspeitas entre dirigentes da oposição e analistas, que interpretaram um voto para cada pergunta, estimando a participação em cerca de dois milhões. A afirmação se apoiava também na falta de filas na maioria dos centros de votação em Caracas e em outras cidades do país.

O eleitorado na Venezuela é formado por 20,7 milhões de pessoas aptas a votar e o resultado informado agora pelo CNE representa uma participação maior em relação ao total de votos da história democrática do país.

O referendo apresentou cinco perguntas, que receberam apoio superior a 95%, incluindo a criação de uma província venezuelana no Essequibo e concessão da nacionalidade a seus 125.000 habitantes.

A Venezuela argumenta que o rio Essequibo é a fronteira natural com a Guiana, como era em 1777 quando era colônia da Espanha, e apela ao Acordo de Genebra, assinado em 1966, antes de a Guiana se tornar independente do Reino Unido, que estabelece as bases para uma solução negociada e anulou um laudo de 1899 que definiu os limites atuais.

Georgetown, enquanto isso, defende este laudo e pede que seja ratificado pela Corte Internacional de Justiça (CIJ), a mais alta corte das Nações Unidas.

O "sim" também ganhou com percentuais superiores a 95% nas demais quatro perguntas, que contemplavam a rejeição ao laudo de Paris e à jurisdição da CIJ, o apoio ao Acordo de Genebra e a oposição ao uso pela Guiana das águas marítimas do Essequibo, onde o governo guianês e a gigante de energia americana ExxonMobil iniciaram a exploração de vastas jazidas de petróleo descobertas em 2015.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Entre brigas, insultos e promessas, Macron visita Salão da Agricultura em Paris
Mundo

Entre brigas, insultos e promessas, Macron visita Salão da Agricultura em Paris

Há 3 horas

Israel examina propostas que dão 'margem para avançar' para uma trégua em Gaza
Mundo

Israel examina propostas que dão 'margem para avançar' para uma trégua em Gaza

Há 3 horas

Mãe de Navalny recebeu o corpo de russo morto na prisão
Mundo

Mãe de Navalny recebeu o corpo de russo morto na prisão

Há 8 horas

Ucrânia assina acordos de cooperação em segurança com Itália e Canadá
Mundo

Ucrânia assina acordos de cooperação em segurança com Itália e Canadá

Há 9 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais