Acompanhe:

O encontro de Luiz Inácio Lula da Silva com o presidente da Guiana, Irfaan Ali, que ocorreria nesta sexta-feira às margens COP-28, em Dubai, foi adiado. Segundo fontes da diplomacia brasileira, a reunião ainda pode ocorrer no sábado, quando a comitiva do Brasil ainda estará na conferência do clima. A conversa foi marcada para discutir a ameaça da Venezuela de invadir e anexar dois terços do território de Essequibo, que pertence à ex-colônia britânica.

Nesta sexta-feira, a Corte Internacional de Justiça de Haia determinou que a Venezuela não tome nenhuma ação agressiva contra a região fronteiriça de Essequibo, contestada por Caracas como parte de seu território, às vésperas da realização de um polêmico referendo sobre o tema.

O tribunal internacional acatou o pedido da Guiana, que administra a região há décadas, por medidas provisórias, reconhecendo que os últimos anúncios e ações da cúpula do governo de Nicolás Maduro representam um risco urgente na região.

Entenda o caso

Com as maiores reservas de petróleo per capita do mundo, a Guiana lançou em dezembro de 2022 a primeira rodada de licitações para explorar 11 campos de petrolíferos em águas rasas e outros três em águas profundas e ultraprofundas. Caracas, por sua vez, rejeitou as licitações, classificando-as como "ilegais" por envolverem "áreas marítimas pendentes de delimitação".
No domingo, a Venezuela vai realizar um referendo sobre a anexação da região de Essequibo, território rico em petróleo, que corresponde a mais da metade da Guiana.
O governo da Guiana considera o referendo uma ameaça à sua integridade territorial e buscou intervenção internacional. Já a Venezuela critica a ação, alegando interferência em seus assuntos internos.

A tensão aumentou com movimentações militares da Venezuela na fronteira guianesa, levando atores internacionais a entrarem em cena: os Estados Unidos ameaçaram impor novas sanções ao governo de Nicolás Maduro, e o Brasil, como país vizinho e parceiro, demonstra grande preocupação com uma escalada no conflito.

O governo brasileiro acompanha com preocupação a escalada da campanha da Venezuela pela anexação. Na semana passada, o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Celso Amorim, viajou a Caracas para tratar do assunto com Nicolás Maduro. A equipe de Amorim recebeu vídeos da campanha que preocuparam o Palácio do Planalto.

Segundo o jornal O GLOBO, o presidente da Guiana, Irfaan Ali, pediu ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, há algumas semanas, para que o governo brasileiro dissuadisse Maduro de sua intenção de avançar sobre o território do país. O pedido, somado ao tom da campanha eleitoral, que conta com o apoio de amplos setores da oposição venezuelana, aumentou a preocupação entre as autoridades brasileiras e no Itamaraty.

Fontes do Itamaraty ouvidas pelo jornal avaliam que a situação é preocupante e que o resultado do referendo é previsível, mas ainda não há uma definição sobre o que será feito. A orientação, no momento, é esperar o resultado do domingo. O medo do Brasil é que a situação escape do controle: o governo de Maduro já defendeu publicamente a invasão do território em disputa há mais de 100 anos, quando a Guiana ainda era colônia britânica.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Drone dos EUA cai na costa do Iêmen após suposto ataque huthi
Mundo

Drone dos EUA cai na costa do Iêmen após suposto ataque huthi

Há 8 horas

Guangdong lidera em turismo durante o feriado prolongado na China
Mundo

Guangdong lidera em turismo durante o feriado prolongado na China

Há 9 horas

Venezuela e Rússia ampliam cooperação petroleira e citam uso de energia nuclear
Mundo

Venezuela e Rússia ampliam cooperação petroleira e citam uso de energia nuclear

Há 9 horas

Nikki Haley descarta desistir de disputa com Trump por indicação republicana
Mundo

Nikki Haley descarta desistir de disputa com Trump por indicação republicana

Há 10 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais