Acompanhe:

O governo brasileiro acompanha com preocupação um eventual conflito entre  Venezuela e Guiana. O temor é de que uma guerra na América do Sul traga ainda mais problemas de ordem global em um mundo cada vez mais polarizado e fragmentado. Auxiliares do ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmaram à EXAME que a tensão entre os dois países tem como pano de fundo a exploração de petróleo na região.

"As empresas que fazem extração de petróleo na Guiana são norte-americanas. Uma invasão da Venezuela colocaria os Estados Unidos no centro desse conflito. Somos favoráveis a uma solução pacífica. Do outro lado, a Venezuela tem apoio de China e Rússia", disse um técnico da Defesa.

Como mostrou a EXAME, o governo da Venezuela disse que mais de 95% dos eleitores do país votaram, em um plebiscito, a favor de que o país se aproprie de mais de metade do território da Guiana. A votação foi realizada neste domingo, 3, na Venezuela, e os próximos passos da questão ainda estão em aberto.

Aumento de efetivo brasileiro na região

O governo brasileiro também não permitirá que os venezuelanos façam qualquer tipo de invasão pelo território brasileiro.

Segundo um técnico da Defesa, o aumento de efetivo militar brasileiro presente na região, que subiu de 70 para 130 pessoas, foi mobilizado apenas para sinalizar que o país não permitirá uma invasão pelo território nacional.

"Esse efetivo ainda é pequeno, mas é uma sinalização importante. Já convivemos com uma crise humanitária na região. Mas o Brasil não pretende interferir em um eventual conflito", disse um auxiliar de Lula. "Quem entra para separar briga de bar também apanha."

Na semana passada, o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Celso Amorim, viajou a Caracas para tratar do assunto com Nicolás Maduro. A equipe de Amorim recebeu vídeos da campanha que preocuparam o Palácio do Planalto.

"Vamos continuar acompanhando os desdobramentos desse embate. Mais uma guerra no mundo seria péssimo", disse um técnico da Defesa.

No domingo, 2, o presidente Lula afirmou esperar “bom senso” dos países na questão. Em entrevista coletiva em Dubai, o presidente confirmou que tem medo de uma guerra na vizinhança e disse “se tem uma coisa que o que a América do Sul não está precisando agora é de confusão”.

"Tem um referendo, provavelmente o referendo vai dar o que o Maduro quer [anexar a Venezuela], porque é um chamamento ao povo para aumentar aquilo que ele entende que seja o território dele", afirmou Lula. "Só tem uma coisa que o mundo não está precisando. Se tem uma coisa que a América do Sul não está precisando agora é de confusão. Se tem uma coisa que precisamos para crescer e melhorar a vida do nosso povo é a gente baixar o facho, trabalhar com muita disposição de melhorar a vida do povo e não ficar pensando em briga. Não ficar inventando história. Espero que o bom senso prevaleça do lado da Venezuela e do lado da Guiana."

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Desabamento de mina deixa ao menos 25 mortos na Venezuela
Mundo

Desabamento de mina deixa ao menos 25 mortos na Venezuela

Há 3 horas

Mãe de Alexei Navalni entra com ação judicial para liberação de corpo do ativista
Mundo

Mãe de Alexei Navalni entra com ação judicial para liberação de corpo do ativista

Há 4 horas

Embaixada dos EUA alerta viajantes sobre dengue no Brasil
Mundo

Embaixada dos EUA alerta viajantes sobre dengue no Brasil

Há 5 horas

Trump se compara a Navalny por problemas jurídicos e evita criticar Putin
Mundo

Trump se compara a Navalny por problemas jurídicos e evita criticar Putin

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais