Mundo

OEA pede ação urgente para novas eleições na Bolívia após renúncia de Evo

Pronunciamento foi feito pelo secretário-geral da OEA, Luis Almagro, quase 24 horas após Morales comunicar a renúncia

Bolívia: Almagro ainda pediu "a pacificação e o respeito ao estado de direito" no país (Danilo Balderrama/Reuters)

Bolívia: Almagro ainda pediu "a pacificação e o respeito ao estado de direito" no país (Danilo Balderrama/Reuters)

E

EFE

Publicado em 11 de novembro de 2019 às 15h53.

Washington — A Organização dos Estados Americanos (OEA) pediu nesta segunda-feira (11), ao Congresso da Bolívia uma reunião emergencial para "assegurar o funcionamento institucional" e um novo processo eleitoral no país, após a renúncia de Evo Morales à presidência em meio às revoltas desde as eleições de 20 de outubro.

O pronunciamento foi feito pelo secretário-geral da OEA, Luis Almagro, quase 24 horas após Morales comunicar a renúncia, no domingo passado.

"A Secretaria-Geral solicita que, de forma urgente, se reúna a Assembleia Legislativa Plurinacional da Bolívia para o efeito de assegurar o funcionamento institucional e nomear novas autoridades eleitorais que garantam um novo processo eleitoral", disse em comunicado.

Almagro ainda pediu "a pacificação e o respeito ao estado de direito" e rechaçou qualquer "saída inconstitucional" para a crise boliviana.

A OEA também exigiu que a Justiça siga investigando "até as últimas consequências" as "responsabilidades existentes" relacionadas às irregularidades denunciadas pela própria organização internacional nas eleições presidenciais de 20 de outubro.

Morales renunciou após pedido dos militares e depois que uma auditoria da OEA sobre as eleições revelou supostas irregularidades no processo eleitoral no qual foi reeleito. Antes de renunciar, o agora ex-presidente havia aceitado a realização de novas eleições e a renovação total do órgão eleitoral boliviano.

Evo Morales, cujo paradeiro exato é desconhecido, denunciou no domingo uma ordem de captura contra ele, após o plano ter sido anunciado por líderes da oposição que organizam protestos contra o governo, acusação que foi negada pela polícia.

A polícia prendeu no domingo a presidente do Supremo Tribunal Eleitoral, María Eugenia Choque, e seu ex-vice-presidente, Antonio Costas, assim como 25 presidentes e membros de diferentes tribunais eleitorais departamentais.

Acompanhe tudo sobre:BolíviaEvo MoralesOEA

Mais de Mundo

  Papua-Nova Guiné afirma que mais de 2.000 pessoas foram sepultadas em deslizamento de terra

Ataque aéreo de Israel a Rafah após novo ataque do Hamas deixa ao menos 35 mortos

Doze pessoas ficam feridas por conta de turbulência durante voo da Qatar Airways

Tornados e tempestades deixam ao menos 14 mortos no sul dos EUA

Mais na Exame