Mundo

O que é anomalia magnética que cresce no Brasil e por que preocupa o governo dos EUA

Crescimento da Anomalia Magnética no Atlântico Sul (AAS) chamou atenção do governo americano

Anomalia teve um crescimento de 7% entre 2014 a 2020. (Revista científica Earth, Planets and Space/Exame)

Anomalia teve um crescimento de 7% entre 2014 a 2020. (Revista científica Earth, Planets and Space/Exame)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 27 de maio de 2024 às 07h38.

Um relatório recente da Agência Nacional de Inteligência Geoespacial dos Estados Unidos e do Centro Geográfico de Defesa do Reino Unido confirmou que a Anomalia Magnética do Atlântico Sul (AAS), localizada sobre o Brasil, está crescendo, segundo reportagem do O Globo. Este fenômeno, monitorado também pela NASA, preocupa devido ao enfraquecimento do campo magnético da Terra na região, o que permite que partículas carregadas do Sol se aproximem mais da superfície.

O campo magnético terrestre funciona como um escudo, repelindo partículas solares. No entanto, na área da AAS, a intensidade desse campo é cerca de um terço da média global, e está se expandindo para o oeste e se aprofundando. Entre 2020 e 2024, a área da AAS aumentou aproximadamente 7%. Embora não represente riscos diretos para a saúde humana, a anomalia é conhecida por causar danos a satélites e interferências em comunicações de rádio.

Qual o impacto?

Apesar da gravidade da anomalia, não há implicações diretas para atividades cotidianas ou saúde humana na superfície. A principal preocupação é com os danos potenciais a equipamentos espaciais, como satélites. A NASA destacou que a radiação na região pode desligar computadores de bordo e interferir na coleta de dados dos satélites. Além disso, a AAS está se dividindo em duas, criando desafios adicionais para missões espaciais.

Marcel Nogueira, doutor em Física, explicou ao O Globo que os satélites precisam entrar em modo de espera ao atravessar a região para evitar danos. O Brasil possui observatórios magnéticos dedicados a monitorar a AAS e, em parceria com a Agência Espacial Russa, lançou em 2021 o nano satélite NanosatC-BR2 para esse fim.

O enfraquecimento do campo magnético na região faz com que os satélites precisem “ficar em stand by, desligar momentaneamente alguns componentes para evitar a perda do satélite, de algum equipamento que venha a queimar”, disse Nogueira. A radiação, principalmente de elétrons, é muito forte nessa área.

Embora preocupante, a expansão da AAS não deve alterar o campo magnético global. Estudos mostram que a anomalia pode ser rastreada a até 11 milhões de anos atrás, indicando que não é um fenômeno novo.

O contínuo monitoramento da AAS é crucial para entender suas implicações e mitigar possíveis danos a equipamentos espaciais. A colaboração internacional e o uso de tecnologias avançadas são essenciais para acompanhar a evolução dessa anomalia e proteger as missões espaciais futuras.

Acompanhe tudo sobre:BrasilNasa

Mais de Mundo

Com redução de neve no Himalaia, 25% da população global pode enfrentar escassez de água em 2024

Eleição nos EUA: Anúncio da campanha de Biden chama a atenção para status de criminoso de Trump

Empresas chinesas focam em aumentar vendas com patrocínio na Olimpíada de Paris

Vendas no varejo de bens de consumo social aumentam 3,7% na China

Mais na Exame