Mundo

Nova Zelândia aprova lei que proíbe de forma vitalícia a venda de cigarro para jovens

Mas as autoridades de saúde esperam que o tabagismo desapareça bem antes disso, com uma meta declarada de tornar a Nova Zelândia livre de cigarros até 2025.

Cigarros: A nova lei também reduz o número de varejistas autorizados a vender tabaco (mariusFM77/Getty Images)

Cigarros: A nova lei também reduz o número de varejistas autorizados a vender tabaco (mariusFM77/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 13 de dezembro de 2022 às 19h10.

A Nova Zelândia aprovou nesta terça-feira, 13, uma lei para eliminar gradualmente o tabagismo, impondo uma proibição vitalícia de jovens comprarem cigarros no país. O plano diz que o tabaco não pode ser vendido para ninguém nascido a partir de 1º de janeiro de 2009.

Isso significa que a idade mínima para comprar cigarros continuará aumentando. Em teoria, alguém tentando comprar um maço de cigarros daqui a 50 anos precisaria de um documento de identidade para mostrar que tem pelo menos 63 anos.

Mas as autoridades de saúde esperam que o tabagismo desapareça bem antes disso, com uma meta declarada de tornar a Nova Zelândia livre de cigarros até 2025.

O que dizem as últimas pesquisas científicas mais importantes? Descubra ao assinar a EXAME, por menos de R$ 0,37/dia.

A nova lei também reduz o número de varejistas autorizados a vender tabaco de cerca de 6.000 para 600 e diminui a quantidade de nicotina permitida no tabaco fumado.

"Não há nenhuma boa razão para permitir a venda de um produto que mata metade das pessoas que o usam", disse a Ministra Adjunta da Saúde, Ayesha Verrall, aos legisladores no Parlamento. "E posso dizer que acabaremos com isso no futuro, conforme aprovarmos essa legislação."

Segundo ela, o sistema de saúde economizará bilhões de dólares por não precisar tratar doenças causadas pelo fumo, como câncer, ataques cardíacos, derrames e amputações. Ela disse que o projeto criaria uma mudança geracional e deixaria um legado de melhor saúde para os jovens. A lei não afeta o vaping, que já se tornou mais popular do que o cigarro na Nova Zelândia.

LEIA TAMBÉM: Estudo mede riscos de fumar por idade

A legislação foi aprovada por 76 votos a 43. O partido libertário ACT, que se opôs ao projeto de lei, disse que muitas pequenas lojas de esquina fechariam as portas porque não poderiam mais vender cigarros. "Nos opomos a este projeto de lei porque é um projeto ruim e sua política é ruim", disse Brooke van Velden, vice-líder do ACT. "Não haverá resultados melhores para os neozelandeses."

Ela disse que a proibição gradual equivalia a uma "proibição do Estado babá" que acabaria criando um grande mercado paralelo. Segundo ela, a proibição nunca funcionou e sempre termina com consequências não intencionais.

De acordo com dados estatísticos publicado no mês anterior, 8% dos adultos neozelandeses fumavam diariamente, abaixo dos 16% dez anos atrás.

Enquanto isso, 8,3% dos adultos fumavam diariamente, contra menos de 1% há seis anos. As taxas de tabagismo permanecem mais altas entre os indígenas Maori, com cerca de 20% relatando que fumam.

A Nova Zelândia já restringe a venda de cigarros para maiores de 18 anos, exige que os maços de tabaco venham com advertências gráficas de saúde e que os cigarros sejam vendidos em maços padronizados. Nos últimos anos, o país também impôs uma série de fortes aumentos de impostos sobre os cigarros.

A mudança na lei foi bem recebida por várias agências de saúde. A Health Coalition Aotearoa, que luta contra o tabagismo na Nova Zelândia, disse que a nova lei representou o culminar de décadas de defesa árdua por organizações de saúde.

LEIA TAMBÉM:

Acompanhe tudo sobre:CigarrosJovensNova Zelândia

Mais de Mundo

Sanções da União Europeia atingem gás da Rússia pela primeira vez

Após apagão geral, 95% do fornecimento de energia é restabelecido no Equador

Mudanças climáticas aumentam 35 vezes a probabilidade de ondas de calor nas Américas

Pesquisa mostra que 80% das pessoas querem que países reforcem compromisso com mudanças climáticas

Mais na Exame