Mundo

Nos EUA, Biden avalia mais de US$ 1 bi em novos acordos de vendas de armas a Israel

A transferência de armas proposta, que seria um adicional em relação ao apoio militar já atualmente no Congresso, seria a maior para Israel desde a invasão em Gaza

EUA: presidente avalia mais recursos para armas de Israel (Brendan Mcdermid/Reuters)

EUA: presidente avalia mais recursos para armas de Israel (Brendan Mcdermid/Reuters)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 19 de abril de 2024 às 09h42.

O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, considera mais de US$ 1 bilhão em novos acordos de armas para Israel, incluindo munição para tanques, veículos militares e morteiros, afirmaram fontes da administração, em momento de renovado foco no uso de armas americanas na guerra da Faixa de Gaza.

A transferência de armas proposta, que seria um adicional em relação ao apoio militar já atualmente no Congresso, seria a maior para Israel desde a invasão em Gaza em resposta ao ataque do Hamas que matou 1.200 pessoas, em sua maioria civis, em 7 de outubro.

As vendas também seriam as primeiras desde que o Irã lançou o ataque direto sem precedentes com mísseis e drones sobre o território israelense, no fim de semana, em retaliação pela morte de um importante general iraniano na Síria em 1º de abril. Israel respondeu com um ataque na última noite que parece ter sido limitado, após a pressão dos EUA para que não ocorra mais escalada na confrontação.

Segundo as fontes, as vendas precisariam do aval de líderes do Congresso e poderia levar meses ou anos para que as entregas fossem concretizadas. Deve haver, porém, resistência de parte do Legislativo, no contexto atual. O Pentágono e o Departamento de Defesa não quiseram comentar o assunto.

Acompanhe tudo sobre:IsraelEstados Unidos (EUA)Armas

Mais de Mundo

Bandeira invertida coloca Suprema Corte dos EUA em apuros

Primeiro-ministro eslovaco passa por nova cirurgia e segue em estado grave

Vaticano alerta contra episódios imaginários relacionados a milagres e aparições

Governo Biden quer reclassificar maconha como droga de menor risco

Mais na Exame