Naufraga em Mianmar barco com mais de 100 muçulmanos

Os muçulmanos buscavam refúgio ante a iminente chegada de um ciclone

Yangon - Um barco que transportava entre 100 e 150 muçulmanos rohingyas, que buscavam refúgio ante a iminente chegada de um ciclone, naufragou no golfo de Bengala, na costa de Mianmar.

A embarcação naufragou na segunda-feira depois de zarpar da cidade birmanesa de Pauktaw, explicou Kirsten Mildren, do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Os passageiros, todos muçulmanos, rohingyas que em 2012 foram obrigados a fugir em consequência da violência religiosa, seguiam para "outro campo de refugiados antes da chegada do ciclone" prevista para quinta-feira, disse Mildren.

O número exato de desaparecidos é desconhecido.

Um refugiado muçulmano do campo de Mansi, perto de Sittwe, a capital do estado Rakhine (oeste), afirmou à AFP que 200 pessoas tentaram fugir da tempestade tropical.

"Ouvi dizer que apenas oito pessoas sobreviveram, os outros podem estar mortos no mar", disse.

Nesta terça-feira, o ciclone Mahasen estava a 1.180 quilômetros de Sittwe, segundo o departamento meteorológico de Mianmar.

Quase 140.000 pessoas vivem em acampamentos improvisados no estado de Rakhine, oeste de Mianmar, onde ano passado os confrontos religiosos entre budistas, a etnia rakhine e os rohingyas provocaram quase 200 mortes.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.