Acompanhe:

Na Argentina, Milei ataca governadores, após ameaça de corte no fornecimento de petróleo e gás

Atacou em específico o governador de Chubut, Nacho Torres, que lidera ameaças nos últimos dias de paralisar o fornecimento

Modo escuro

Continua após a publicidade
Paralisação: presidente argentino disse que uma eventual "violação da lei" do tipo levaria o caso à Justiça (Luis Robayo/AFP)

Paralisação: presidente argentino disse que uma eventual "violação da lei" do tipo levaria o caso à Justiça (Luis Robayo/AFP)

O presidente da Argentina, Javier Milei, desferiu ataques duros, em entrevista neste domingo, 25, à emissora LN+, a governadores da região da Patagônia, os quais ameaçaram interromper o fornecimento de petróleo e gás diante de cortes de repasses do governo federal.

Milei criticou as ameaças como "desconhecimento, ignorância", e acrescentou que um corte como esse "significaria violentar o direito de propriedade, o que é um delito".

O presidente argentino disse que uma eventual "violação da lei" do tipo levaria o caso à Justiça. Questionado se poderia intervir nas províncias, respondeu: "será feito o que a Justiça determinar".

Milei atacou em específico o governador de Chubut, Nacho Torres, que lidera ameaças nos últimos dias de paralisar o fornecimento de petróleo e gás. Torres e outros governadores argumentam que a Casa Rosada corta um montante de coparticipação nos contratos de maneira ilegal.

"Pobrezinho", qualificou o presidente em relação ao governador. "É um pobre que não pôde ler um contrato, é de uma precariedade intelectual muito grande", afirmou Milei. Na argumentação do presidente, a província tomou dívida dando a coparticipação como garantia, e agora o governo federal pega a parte que lhe corresponde nesse negócio. Ele ainda qualificou Torres como "uma vítima da deterioração da educação argentina, que não consegue ler um contrato".

Milei criticou ainda governadores que apoiaram a demanda de Chubut, somando-se à ameaça de cortar a distribuição de petróleo e gás. "Querem transferir o ajuste para os demais argentinos", afirmou, qualificando-os como "políticos runfla". A expressão "runfla" é uma gíria local (do lunfardo) para um grupo de pessoas "imorais, sem nobreza ou abjetas", em uma das definições disponíveis. O presidente diz que o ajuste fiscal dos governadores é bem mais modesto, de 1 ponto do PIB, mas estes resistiriam, enquanto seu governo avança para um ajuste abrangente, equivalente a 15 pontos do PIB.

"Está acabada a Argentina do desperdício", afirmou. Segundo Milei, há indícios de que as coisas estão melhorando, como a desaceleração da inflação no atacado e a queda no risco-país. "Os mercados financeiros estão vendo os êxitos na gestão da política fiscal", afirmou.

Segundo o presidente, caso seu governo avance no ritmo atual, seria possível acabar com as restrições no mercado cambial ("cepo") local "na metade do ano".

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Milei deixará de viajar em voos comerciais por preocupações de segurança
Mundo

Milei deixará de viajar em voos comerciais por preocupações de segurança

Há 6 horas

Argentina deve encolher 2,8% em 2024 e crescer 5% em 2025, prevê FMI
Mundo

Argentina deve encolher 2,8% em 2024 e crescer 5% em 2025, prevê FMI

Há 16 horas

Milei escreve nova carta a Lula em busca de aproximação após oferecer ajuda a Musk
Brasil

Milei escreve nova carta a Lula em busca de aproximação após oferecer ajuda a Musk

Há 19 horas

Ministra argentina recua e diz que Milei não vai interferir no embate de Musk com STF
Mundo

Ministra argentina recua e diz que Milei não vai interferir no embate de Musk com STF

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais