Mundo

Michigan envia recado a Biden com 100.000 votos de protesto

Este movimento fez campanha para boicotar o presidente democrata durante as primárias, realizadas ontem

Biden: É uma "mensagem clara e contundente" para Biden, que busca um segundo mandato, a favor de um "cessar-fogo permanente agora", declarou aos jornalistas Layla Elabed (AFP/AFP Photo)

Biden: É uma "mensagem clara e contundente" para Biden, que busca um segundo mandato, a favor de um "cessar-fogo permanente agora", declarou aos jornalistas Layla Elabed (AFP/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 29 de fevereiro de 2024 às 06h29.

Mais de 100.000 pessoas emitiram o equivalente a um voto em branco nas urnas durante as primárias democratas do Michigan para sancionar o presidente Joe Biden por seu apoio a Israel na guerra em Gaza, segundo os resultados provisórios publicados nesta quarta-feira, 28.

É uma "mensagem clara e contundente" para Biden, que busca um segundo mandato, a favor de um "cessar-fogo permanente agora", declarou aos jornalistas Layla Elabed, uma das líderes do coletivo "Ouça o Michigan".

Este movimento fez campanha para boicotar o presidente democrata durante as primárias, realizadas ontem.

O chefe de Estado, que provavelmente enfrentará o favorito à indicação republicana Donald Trump em 5 de novembro, obteve mais de 614.000 votos, ou seja, cerca de 81%.

A opção "sem compromisso", equivalente a um voto em branco, obteve mais de 100.000 votos (cerca de 13%).

A iniciativa tinha como objetivo mostrar a Biden que conseguiria mobilizar eleitores suficientes para ameaçar seu resultado nas eleições presidenciais, com a esperança de pressioná-lo para que exija um cessar-fogo imediato em Gaza.

Donald Trump venceu no Michigan, um dos estados-chave ("swing state") que provavelmente vão inclinar a balança nas eleições presidenciais, por cerca de 10.000 votos em 2016. Em 2020, Biden com uma diferença de cerca de 150.000 votos.

"Espero, senhor presidente, que nos ouça. Que escolha a democracia em vez da tirania, que escolha o povo americano em vez de Benjamin Netanyahu", o primeiro-ministro israelíense, afirmou em entrevista coletiva Abdullah Hammoud, prefeito de Dearborn.

Este subúrbio de Detroit tem uma grande população muçulmana e de origem árabe.

No comunicado em que reagiu à sua vitória, Biden agradeceu a "todo o povo do Michigan que fez sua voz ser ouvida", mas sem mencionar o voto de protesto.

Abbas Alawieh, porta-voz do "Ouça o Michigan", afirmou que o comunicado "ignorou" quem votou em branco e cuja mensagem é "clara": "Esta comunidade necessita que você mude de política antes de vir nos pedir votos".

À pergunta de se o presidente está disposto a mudar o rumo, sobretudo no que se refere ao fornecimento de armas a Israel, a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, respondeu: "A política americana não vai mudar neste tema", declarou nesta quarta-feira aos jornalistas.

Acompanhe tudo sobre:Joe BidenEleições americanas

Mais de Mundo

Câmara baixa do Arizona aprova revogação de lei do século XIX que veta aborto em todos os casos

Premiê da Espanha enfrenta crise política após sua mulher ser investigada por corrupção

TikTok diz que recorrerá à Justiça após lei que pode proibi-lo nos EUA

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia 'nas próximas horas'

Mais na Exame