Mundo
Acompanhe:

Maduro exige retirada de sanções para que eleições ocorram no país

O presidente afirmou que a única maneira de realizar o pleito de acordo com o que a constituição nacional determina é que seja livre de sanções

"Queremos uma eleição livre de sanções e de medidas coercitivas unilaterais, que as tirem todas", afirmou Maduro (Manaure Quintero/Reuters)

"Queremos uma eleição livre de sanções e de medidas coercitivas unilaterais, que as tirem todas", afirmou Maduro (Manaure Quintero/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 1 de dezembro de 2022, 07h00.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou hoje que deseja que todas as sanções americanas contra seu país sejam suspensas antes de realizar mais negociações com a oposição para eleições. Em um discurso, o líder venezuelano afirmou que irá falar com diversos setores para poder realizar um pleito livre e justo. "Queremos uma eleição livre de sanções e de medidas coercitivas unilaterais, que as tirem todas", afirmou Maduro.

O presidente afirmou que a única maneira de realizar o pleito de acordo com o que a constituição nacional determina é que seja livre de sanções.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O governo da Venezuela e sua oposição concordaram no último sábado em criar um fundo administrado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para financiar programas de saúde, alimentação e educação, enquanto o governo do presidente Joe Biden afrouxou algumas sanções de petróleo sob o país em um esforço para aumentar as negociações recém-reiniciadas entre os lados ao permitir que a petroleira Chevron retomasse a exploração do petróleo venezuelano.

O acordo assinado na Cidade do México por representantes do presidente Nicolás Maduro e da oposição, incluindo o grupo apoiado pelos Estados Unidos e liderado por Juan Guaidó, marcou a retomada de negociações há muito paralisadas.

LEIA TAMBÉM: