Mundo

Maduro: Milícia com 1,6 mi de membros defenderá Venezuela dos EUA

Número é três vezes maior do que o registrado no início do ano, e missão, é defender o país de agressões externas, diz o presidente venezuelano

Nicolás Maduro: "Nós iremos armar a milícia bolivariana até os dentes" (Palácio de Miraflores/Reuters)

Nicolás Maduro: "Nós iremos armar a milícia bolivariana até os dentes" (Palácio de Miraflores/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 18 de dezembro de 2018 às 10h12.

Última atualização em 18 de dezembro de 2018 às 11h11.

Caracas - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse na segunda-feira que a milícia civil atingiu 1,6 milhão de membros, mais do que triplicando de tamanho desde o início do ano, e que a missão do grupo é defender o país de agressões externas.

O discurso de Maduro a membros da milícia, transmitido na televisão estatal, aconteceu menos de uma semana depois de o líder socialista acusar os Estados Unidos de planejarem invadir o país, que passa por severa crise econômica.

"Nós iremos armar a milícia bolivariana até os dentes", disse Maduro, sem detalhar quantos membros da milícia estão armados. "Uma força imperialista invasora pode entrar em uma parte da nossa pátria, mas os imperialistas precisam saber que eles não vão sair daqui vivos".

A Milícia Nacional Bolivariana é uma força de reserva composta por voluntários civis que foi fundada em 2008 pelo ex-presidente Hugo Chávez para auxiliar as Forças Armadas.

Maduro observou na segunda-feira que, em abril, deu a ordem para aumentar o tamanho da força de reserva para 1 milhão de membros. Na época, ele disse que a milícia contava com "quase 400 mil" integrantes.

 

Acompanhe tudo sobre:Nicolás MaduroVenezuela

Mais de Mundo

O que aconteceu com o Titan? Um ano após implosão, investigação ainda não foi concluída

Direito ao aborto é retirado da declaração do G7 por oposição da Itália

Suprema Corte dos EUA anula proibição de acessório que converte armas em metralhadoras

Israel bombardeia Gaza e tensões continuam na fronteira com o Líbano

Mais na Exame